logo_partes_pqno_w.jpg (11208 bytes)

Cultura

Ano I - Nº8 - novembro de 2000

Principal
Editorial
Educação
Em Questão
Esportes
Cotidiano
Comportamento
Cultura
Memória
Poesia e Crônicas
Outras Edições
Saúde
Sócio Ambiental
Reflexão
Terceira Idade
Turismo
Expediente
Participe
Tascas
Fórum
Cartas
Esotérico
Econotas
Humor
Pílulas
Nossa Língua
Fale conosco
Serviços
Agenda
Desaparecidos
Casa, Rua e Cia
Fotos
Links
Especiais
Gilberto Freyre
Eleições 2000
Links do mês
Mosteiro São Bento
Dor de Cabeça

Livros

Limites sem trauma
Tania Zagury
176 páginas R$20,00
Formato: 14 x 21 cm
Código: 059943
ISBN: 8501059943

Como, quando e por que dizer "não" aos filhos. E também como, quando e por que dizer "sim". Limites sem trauma, o novo livro da consagrada educadora Tania Zagury, tem tudo para se tornar o livro de cabeceira de pais e mães brasileiros. Com utilíssimos capítulos divididos por faixas etárias, o livro ‘descomplica’ o dia-a-dia da família e indica as necessidades das crianças em cada etapa do desenvolvimento — sempre relacionadas às respectivas tarefas dos pais em relação aos limites.

Hoje, dez anos depois, do lançamento de seu primeiro livro, Sem padecer no paraíso: em defesa dos pais ou sobre a tirania dos filhos — onde Tania alertava para as conseqüências sociais da liberdade excessiva e da falta de autoridade dos pais — a sociedade se horroriza com o que a autora já denunciava e assiste, sem compreender, ao incremento assustador do envolvimento de adolescentes de classes média e alta, de boas escolas e família estruturada, em atos de incivilidade, agressões, assassinatos e violência. A professora Tania Zagury, pioneira na discussão do papel dos limites na educação, vem perseguindo o objetivo de fazer com que os pais readquiram a percepção de que seu principal papel é o de formar cidadãos, pessoas capazes de, pela postura ética, transformar a sociedade, fato fundamental para evitar a marginalização dos jovens.

LIMITES SEM TRAUMA cumpre a tarefa de dar segurança, embasamento técnico e diretrizes educacionais aos pais, livrando-os da culpa e da insegurança que tanto os afligem. Por acompanhar sempre muito de perto as dificuldades encontradas para alcançar o sonho de fazer com que os filhos cresçam felizes, saudáveis e produtivos, Tania traz a público agora, em boa hora, este novo trabalho que, com certeza, é exatamente o que os pais precisavam — um livro que lhes dará a base para operacionalizar o que se tornou talvez a mais difícil de todas as tarefas: dar limites aos filhos.

Trata-se, sem dúvida, de uma obra definitiva sobre a questão dos limites.

Em 1991, Tania Zagury publicou o livro Sem padecer no paraíso: em defesa dos pais ou sobre a tirania dos filhos, que rapidamente se tornou um best seller. Dois anos depois, foi lançado Educar sem culpa: a gênese da ética, que enfatiza a importância da ética na educação. No livro O adolescente por ele mesmo, de 1996, Tania Zagury entrevistou 943 jovens em todo o Brasil, traçando um retrato de corpo inteiro dos adolescentes brasileiros que se tornou referência para pais e educadores. O romance Rampa — um denso relato sobre o sofrimento dos sem-teto — foi a estréia da autora na área ficcional, em 1997. Em 1999, ela publicou Encurtando a adolescência, que trata das dúvidas mais freqüentes de pais de jovens.

Tania Zagury, filósofa e mestra em Educação, não acredita em "achismos": seus livros sempre têm como ponto de partida a pesquisa científica.

Leia um Capítulo:

Antigamente, ninguém sequer discutia o assunto.

Criança não sabia e, portanto, precisava aprender. E nós, adultos, tínhamos de ensinar. De maneira que, por exemplo, quando o menino fazia algo errado, respondia mal à vovó, agredia um coleguinha ou não queria fazer o "dever de casa" os pais não tinham dúvidas — agiam, corrigiam, "davam castigo" — muitos até batiam!!! (Lá em casa, temos guardada uma aterrorizante e incrível palmatória — que meu marido, um belo dia, conseguiu com a ex-professora primária do meu sogro, para figurar na sua coleção de antigüidades... com o caráter especialíssimo de ter sido usada no avô dos meus filhos, quem haveria de crer hoje?)

Com as mudanças ocorridas durante o século XX, tanto no campo das relações humanas como no da educação, as pessoas foram aprendendo a respeitar as crianças, entendendo que elas têm, sim, querer (há pouco mais de três décadas nossos pais diziam com toda segurança "criança não tem querer", quem não lembra?), gostos, aptidões próprias e até indisposições passageiras — exatamente como nós, adultos.

Com isso, sem dúvida, muita coisa melhorou para as crianças — e, claro, para nós adultos também. O relacionamento entre pais e filhos ganhou mais autenticidade, menos autoritarismo. O poder absoluto dos pais sobre os filhos foi substituído por uma relação mais democrática. E o entendimento cresceu... Todos ficaram felizes...

Será? Será que as coisas aconteceram assim de forma tão harmoniosa, com todos?

Na verdade, não. Em muitos casos, surgiram problemas, porque ocorreram uma série de enganos e distorções em relação a essa nova forma de relacionamento familiar.

E por quê? Será que essas novas teorias estavam, afinal, erradas? Em parte sim e em parte não. O problema maior que ocorreu — e ainda vem ocorrendo — é que muitos pais estão tendo sérias dificuldades para colo-
car em prática essa nova forma de educar, que é de fato muito mais difícil.

Como saber a hora de dizer sim e a hora de dizer não? Aliás, perguntam-se, aflitos, muitos pais, há, de acordo com essas novas teorias, realmente uma hora para dizer não? Negar alguma coisa para os filhos parece um crime, um verdadeiro pecado atualmente, ou, no mínimo, um ato autoritário, um modelo antiquado de educar. Afinal, tantas obras publicadas indicam tudo que não se deve fazer e tão poucas oferecem realmente uma diretriz para clarear o caminho de quem quer bem orientar os filhos...

Muitos papais e mamães ficam em sérias dificuldades ao tentarem colocar em prática aquelas idéias tão lindas
que tinham em mente ao iniciarem o longo e delicado caminho da formação das novas gerações: "comigo vai ser tudo diferente; não vou ser igual aos meus pais em nada...", afirmam, convictos. Cheios de boas intenções lá vão eles e... de repente, as coisas deixam de ser tão simples e fáceis. Ao contrário. O dia-a-dia parece se tornar muito, mas muito complicado mesmo. Ai, meu Deus, o que fazer?

Aquele relacionamento ideal, perfeito, em que a mamãe, com todo carinho (e com toda razão), explica (sem
nenhum autoritarismo e cheia de compreensão), que aquele cd que o filhinho arranhou, tão inocentemente, tadinho — não era para ser riscado... mas, mesmo com toda conversa, com todo afeto demonstrado e outras
tantas racionais explicações, o cd foi arranhado, sim. E não apenas um, mas vários! Explicado assim, com tanto carinho e amor, deveria ter funcionado, afinal usou toda a psicologia, não foi?... Então, o que está acontecendo? Depois de falar, explicar, sorrir, explicar de novo, acariciar, entender, compreender — tudo, tudo, conforme manda o figurino da nova educação — não é que parece que seu doce filhinho não entende o diálogo? Pois, afinal, não se foi para o lixo toda a ma-ra-vi-lho-sa coleção de cds do maridinho?... Como é que pode? E agora?

Onde foi que eu errei? perguntam-se, desesperados, os pais. Afinal, conversam, explicam, não agridem, não impõem, não batem, não castigam... e, no fim, a vida está virando um verdadeiro inferno, quanto mais fazem, mais os filhos querem que se faça, já não sabem mais o que dizer, como agir, estão desesperados! Um belo dia, percebem-se, admirados, a dizer "no meu tempo não era assim", aquela frase odiável que ouviram tantas vezes e, agora, quem diria, eles próprios a estão dizendo, e o que é pior, resolveram "virar a mesa", estão castigando os filhos, berrando, se escabelando, irritados, perdidos...

Parece o fim do mundo? Parece. Mas, felizmente, não é.

Já dizia Aristóteles, um filósofo que viveu muito antes de Cristo, "a justiça está no meio-termo". Ou seja, o que ocorreu foi que, no afã de atender aos reclamos da moderna pedagogia e da psicologia, os pais perderam um pouquinho o rumo — e, sem querer, exageraram na dose — quiseram tanto acertar que, por vezes, erraram.

Mas, calma, nada que não tenha remédio! Algumas regras básicas são suficientes para colocar a casa em ordem e a vida em paz!...

E é exatamente o que vamos fazer aqui: explicar com clareza e objetividade como ser um pai moderno — sem perder a autoridade, sem deixar que os filhos cresçam sem limites e sem capacidade de compreender e en-
xergar o outro — habilidades básicas e essenciais para quem deseja criar cidadãos, seres humanos capazes de praticar o humanismo com a mesma naturalidade com que respiram!

Para possibilitar o surgimento desse ser humano maravilhoso é necessário que os pais tenham certeza de uma coisa: dar limites é importante. Não pode haver dúvidas quanto a isso. Antes de começar é preciso pensar — e decidir.

É fundamental acreditar que dar limites aos filhos é iniciar o processo de compreensão e apreensão do outro (atualmente muita gente acredita que o limite provoca necessariamente um trauma psicológico e, em conse-
qüência, acaba abrindo mão desse elemento fundamental na educação). Ninguém pode respeitar seus semelhantes se não aprender quais são os seus limites — e isso inclui compreender que nem sempre se pode fazer tudo que se deseja na vida. É necessário que a criança interiorize a idéia de que poderá fazer muitas, milhares, a maioria das coisas que deseja — mas nem tudo e nem sempre. Essa diferença pode parecer sutil, mas é fundamental. Entre satisfazer o próprio desejo e pensar no direito do outro, muitos tendem a preferir satisfazer o próprio desejo, ainda que, por vezes, prejudique alguém. Porque, afinal, nem sempre o que se deseja é útil e correto socialmente, querem ver?

– Pode morder e arrancar os cabelos do amiguinho só porque ele pegou seu brinquedo favorito? Não, é claro.

– Pode dar vontade de entupir o vaso sanitário da escola com papel higiênico? Não, não pode.

– Pode dar vontade de jogar uma mesa do segundo andar de um prédio, só para ver o que acontece com o chão, lá embaixo? Não, não pode.

– Pode dar vontade de pichar as paredes bran-
quinhas do prédio novo lá da praça? Não, não pode não.

– Pode dar vontade de dirigir, depois de beber
duas doses de uísque? Não, não pode.

– Pode dar vontade de correr como o vento na
nova bicicleta de vinte marchas e nem ao menos reduzir um pouco, ao vislumbrar uma velhinha atravessando a pista? Não, mas acontece... e a cada dia mais...

– Pode dar vontade de pegar aquela bolsa lindinha e nova que a amiga comprou e levar para você? Também não pode não.

– Pode fingir que não percebeu que a conta do restaurante veio totalizada a menos e não falar nada? Não, não e não!

– Pode dar uma facada na namorada que o deixou por outro? Jamais! Porém acontece!

  • Pode dar vontade de jogar álcool no mendigo e atear fogo, só de brincadeirinha? Não, não pode.

Mas só vai responder "não, não pode não" quem desde pequenino tiver aprendido que muitas coisas podem, e muitas outras não podem e não devem ser feitas, mesmo que dêem muita vontade ou prazer. E tudo bem. Somos felizes assim, respeitando e tendo algumas regras básicas na vida. Especialmente se aprendemos a amar o outro e não apenas a nós próprios.

E, nós, os pais, queremos muito ver nossos filhos crescendo no rumo da felicidade, não queremos? Então temos de ajudá-los nisso. Porque ninguém, ao vir ao mundo, sabe o que é certo e o que é errado. O ser humano, ao nascer, não tem ainda uma ética definida. E somos nós, especialmente nós, os pais, que temos esta tarefa fundamental e espetacular — passar para as novas gerações esses conceitos tão importantes e que conferem ao homem sua humanidade.

Então, se estamos todos de acordo, mãos à obra! Vai valer a pena!

 

Mande também a sua opinião