spacer

ISSN 1678-8419         última atualização em: terça-feira, 27 de novembro de 2007 08:56:23                                               

 
  Principal
 Agenda
 Artes e Artesanato
 Colunistas
 Cultura
 Crônicas
 Econotas
 Editorial
 Educação
 Em Questão
 Em Rhede
 Entrevistas
 Humor
 Política e Cidadania
 Reportagens
 Mirim
 Notícias
 Outras edições
 Poesia e Contos
 Reflexão
 Expediente
 Sócio Ambiental
 Terceira Idade
 Terceiro Setor
 Turismo
   Participe
 Cartas
 Blog
 Fale Conosco
   Especiais
 Igrejas
 Meio Ambiente
 SP 450 anos
 Memória Sindical
 Assédio Moral
 Vitrine do Giba
 Nosso Dáimon
 O Grito do Ipiranga
 Mirim
 Feiras e Mercados
 Em RHede
 Econotas
 Ambientais
 Agenda
.
Leia na Revista Partes
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
TURISMO

Planejamento Turístico Municipal

   

Poliana Fabíula Cardozo

publicado em 15/11/2007

 

         O planejamento turístico aponta como uma ferramenta indispensável para o manejo da atividade. Pois é com medidas racionais e previstas que se trabalha em harmonia – relativa – com o meio, de modo a preservar o turismo do próprio turismo e para o turismo. Pois sem o planejamento, corre-se o risco de o crescimento desordenado da atividade turística atentar contra a atratividade dos recursos e das localidades, que por sua vez figuram como a matéria prima do turismo.

         Isso posto, o planejamento turístico é compreendido, por Ruschmann e Widmer (2000, p. 67) como sendo:

o processo que tem como finalidade ordenar as ações humanas sobre uma localidade turística, bem como direcionar a construção de equipamentos e facilidades, de forma adequada, evitando efeitos negativos nos recursos que possam destruir ou afetar sua atratividade.

 

         É dizer que para as autoras, o planejamento turístico pretende dispor positivamente as ações dos sujeitos sobre uma localidade ou mesmo um recurso turístico com objetivos calculados, a fim de proteger o recurso propriamente dito, ou mesmo de aperfeiçoar (tanto no sentido de ampliar, como de refrear, ou ainda em sentido estrito) seu uso turístico. O planejamento turístico é, pois, encarado como uma ferramenta racional da gestão de destinos, que visa alterar uma realidade atual por um panorama futuro que se deseja.

         Cabe mencionar que o planejamento tem classificações próprias, e estas interessam particularmente a esta reflexão sobre turismo municipal: sabe-se que pode ser classificado em vários tipos, dependendo da abordagem. Para tal, Barretto (1991, pp. 17-21) lista: temporal; geográfico; econômico; administrativo; intencional ou teleológico; e agregativo.

         Barretto (1991, p. 21) ainda ensina que o planejamento turístico está elencado em três níveis: 1º. nível: Federal; 2º. nível: Estadual; e 3º. nível: Municipal.

         Elucidadas as classificações, níveis do planejamento turístico, faz-se um recorte no que tange ao planejamento turístico municipal e suas especificidades. Este planejamento, classificado com parâmetros geográficos, e alocado no terceiro nível, atende a todas as dimensões supracitadas, e é sobre este que este texto dedicar-se-á.

         Pensar o planejamento turístico municipal é pensar não apenas no destino propriamente dito, mas, sobretudo pensar no entorno e na comunidade que este abriga. A relevância de se refletir sobre estas questões justifica-se porque a intervenção a ser realizada diz respeito a mudanças: na base econômica da cidade; utilização do espaço urbano; e vida cultural dos residentes. Algumas dessas mudanças podem ser desejadas outras rechaçadas pelos moradores, e mediar estes conflitos é também tarefa do planejador. Desta forma, Guerrier e Tyler (2001) compreendem que o turismo no âmbito municipal trata de processos sociais de mudança e dos processos de decisão política que ditam a natureza dessa mudança.

         O planejamento turístico municipal tem seus objetivos próprios, e isto independe das distintas motivações pelas quais uma localidade decide desenvolver esta atividade. Isso vai variar da necessidade de gerenciar a inevitabilidade do turismo para a regeneração da economia, bem como o aumento da qualidade de vida para a população. A partir desta explanação inicial, pode-se observar que desenvolver os objetivos do turismo municipal leva tanto à inclusão como à exclusão de grupos de interesse no processo.

         Para mediar estes conflitos não basta consultar a comunidade local, mas sim incluí-la ao processo convidando-a a participar deste planejamento, que inevitavelmente tocará sua vida. Para tal, é fundamental uma pesquisa sobre o comportamento e influência do entorno. Mudanças, como já dito, podem ser bem ou mal recebidas, e isso vai variar de acordo com a comunidade que as recebe, ou como a comunidade é preparada para recebê-la.

Oferecer oportunidades de negócio e emprego aos locais pode ser um dos principais objetivos do turismo em um município, mas preparar esses atores sociais para trabalhar com o turismo deve ser uma ação deste planejamento. A capacitação deste pessoal é que vai garantir que não seja necessário trazer pessoas de fora da cidade, muitas vezes do país, para trabalhar com o turismo municipal. Até mesmo porque, trazer essa gente de fora, causaria mais problemas ainda. Isto posto, Guerrier e Tyler (2001) colocam que a questão não é apenas a criação de novos postos de trabalho, mas, e sobretudo, o acesso a eles. Algumas questões sobre isso devem ser consideradas, tais como: a mão de obra existente é suficiente em termos qualitativos e quantitativos?; quem deve ser o responsável por esta qualificação: o setor público ou o privado?; a remuneração que estes postos vão gerar é suficiente para compensar tal esforço de capacitação?; quem deve ser treinado?; estas e outras questões devem estar em pauta de discussão e pesquisa, para que o turismo, enquanto atividade, atenda às necessidades dos residentes, e também que seja uma atividade compensadora para o município.

         No que diz respeito ao processo social de mudança do município, a imagem sobressai como devendo ser atrativa, com relação ao turista e também ao morador. O processo de criação ou de recriação de imagem torna o município um produto, que irá competir com outros produtos no mercado, sendo consumido pelos turistas. O turista pós-moderno busca o exótico, o diferente, o que é particular a cada destino, mas definitivamente não abre mão do conforto e padrão de hospedagem e alimentação que vive em sua residência habitual. É dizer que ele não se importa em passar o dia num parque, mas ao retornar ao hotel, quer banho quente, lençóis limpos, atendimento em seu idioma de origem. Não quer se aventurar por longos períodos. É compreender que o destino turístico de sucesso oferece excitação e diferenciação na medida em que oferece garantia de conforto e de segurança. Guerrier e Tyler (2001).

         Como a população residente enxerga tudo isso? Como se sente posta em uma vitrine turística (não apenas os sujeitos, mas também a localidade como um todo e todas as suas manifestações), sendo objeto de observação e curiosidade pelo outro? Neste aspecto outra vez mais se faz pertinente não apenas a consulta à comunidade receptora, mas também a sua participação, no que tange ao processo decisório sobre o que colocar na vitrine, e o que não.

         O turismo sempre irá alterar a natureza do espaço que ocupa, mesmo que esta alteração seja meramente simbólica. O uso e o câmbio de uso dos espaços é uma questão relevante a se pensar no planejamento municipal do turismo. A divisão (oficial ou não) das áreas turísticas e não turísticas da cidade, pode levar a descontentamentos: a área turística receberá maior atenção do poder público no que tange a investimentos, e será uma área planejada para receber pessoas de fora. A área não turística é aquela em que a população vive sua vida distante do fausto do turismo, e muitas vezes sem recursos ou atenção do setor público. Mediar esta questão é fundamental, uma cidade que é boa para o morador será boa para o turista, é dizer: não esquecer as áreas não turísticas do município em seu planejamento maior, e no planejamento turístico integrar a sociedade local no uso dos espaços turísticos, para que percebam que as mudanças ocorridas neste aspecto não beneficiam apenas ao grupo de pessoas que vêm de fora, mas a ela também podem ser estendidos os benefícios destas mudanças.

         Entretanto, o uso dos espaços turísticos não são fixos. A cada momento podem-se criar novas áreas de entretenimento para turistas e residentes, ou reutilizar através de revitalização de ambientes: igrejas em museus; indústrias desativadas em shoppings ou centros de cultura; áreas portuárias em desusos por espaços gastronômicos e noturnos, e assim por diante. As intenções destas ações podem ser muitas, desde a ampliação da oferta de atrativos turísticos até a minimização da pressão sobre a capacidade de carga de alguns locais. Nesta reflexão, a capacidade de carga deve ser vista não apenas desde o ponto de vista físico, mas também em termos sociais e antropológicos.

         O uso dos espaços gerados pelo turismo pode trazer conflitos, isto já foi compreendido, contudo, não se explanou sobre os diferentes conflitos que este uso pode gerar: residentes e turistas; residentes e residentes; e turistas e turistas. Isto em razão dos diferentes interesses que uma área turística pode comportar. A questão que se oferece é: como intervir sem descartar os públicos, ou mesmo sem descaracterizar o ambiente. Sobre este aspecto, vale observar as mudanças culturais que o turismo pode promover, tanto advindas dos turistas, como advindas da própria dinamicidade da comunidade receptora que através do visitante vislumbra uma forma diferente de organizar sua vida.

         São estas diversidades e considerações particulares que fazem do planejamento turístico municipal único em seu campo de atuação como também as pesquisas que podem oriundar a partir deste campo fértil das ciências sociais. É no município que parte do planejamento nacional, estadual e regional acontece de forma factual, e é este quem vai receber os ônus e os bônus da atividade turística, é no planejamento turístico municipal que as transformações chegam ao seu ápice em termos de complexidade Guerrier e Tyler (2001). Sendo um espaço em que coabitam diferentes interesses, comunidades, e ambientes torna ainda mais característico este seu aspecto de particularidades. Nestes termos, o desafio será sempre como trabalhar a atividade turística sem aviltar a comunidade local, provendo-lhe benefícios com os câmbios que a mesma sofrerá com as mudanças que o turismo irá promover.

         Desta forma, e a fim de promover estas mudanças satisfatoriamente, o turismo municipal deve adotar abordagens multidisciplinares, com enfoque para o gerenciamento de mudanças e a natureza política da tomada de decisões.

         O planejamento turístico municipal pretende entre outros fornecer emancipação dentro das políticas estaduais e nacionais, para as ações de turismo, descentralizando a tomada de decisões. Contudo, para tal planejamento obter sucesso é necessário que a localidade tenha: estrutura administrativa em sua organização no que diz respeito ao turismo; políticas de turismo municipal, coadunando com a estadual e a nacional, e em relação com as demais pastas da administração municipal; trabalhar com a comunidade e com o trade sobre a conscientização da importância da atividade turística; conhecimento da demanda real, se existir, e potencial; inventário minucioso da oferta turística; diagnóstico; e conhecimento profundo do mercado, e isso inclui os mercados concorrentes.

         Mediante esses aspectos é possível partir para a determinação de objetivos claros, para os quais todo o processo de planejamento orientar-se-á. Não existe uma receita a qual as localidades devem seguir para auferirem o planejamento turístico de sucesso, pois cada uma está inserida em um contexto distinto, e deverá receber tratamento diferenciado também, contudo, o respeito pela comunidade e seu ambiente, bem como as etapas técnicas e básicas do planejamento turístico devem ser observados, com vistas à sustentabilidade do planejamento em si, e que dele oriundem objetivos a longo prazo que possam garantir a sustentabilidade do destino turístico.

 

Referências:

BARRETTO, M. Planejamento e organização do turismo. Campinas: Papirus, 1991.

BENI, M. Análise estrutural do turismo. São Paulo: Senac, 1998

GUERRIER; TYLER. Gestão de turismo municipal. São Paulo: Futura, 2001.

 
  

spacer
::sobre o autor::

Poliana Fabiula Cardozo é mestre bacharel em Turismo (UNIOESTE/UCS), professora assistente e pesquisadora da UNICENTRO.  

::contato com o autor::

Fale com o autor clicando aqui.

 
::::


 
   ::participe::
 Cartas
 Blog
 Fale Conosco
 
 

::outros artigos::
Turismo Rural e Viagens de Incentivo para terceira idade: Estudo de caso de Irati – PR
Janaína Ramos Ferreira e
Poliana Fabíula Cardozo
publicado em 15/11/2007

 

 

::anúncios::






© copyright Revista P@rtes 2000-2007
Editor: Gilberto da Silva (Mtb 16.278)
São Paulo - Brasil
spacer