spacer

ISSN 1678-8419         última atualização em: sexta-feira, 20 de março de 2009 22:08:46                                               

 
  Principal
 Agenda
 Artes e Artesanato
 Colunistas
 Cultura
 Crônicas
 Econotas
 Editorial
 Educação
 Em Questão
 Em Rhede
 Entrevistas
 Humor
 Política e Cidadania
 Reportagens
 Mirim
 Notícias
 Outras edições
 Poesia e Contos
 Reflexão
 Expediente
 Sócio Ambiental
 Terceira Idade
 Terceiro Setor
 Turismo
   Participe
 Cartas
 Blog
 Fale Conosco
   Especiais
 Igrejas
 Meio Ambiente
 SP 450 anos
 Memória Sindical
 Assédio Moral
 Vitrine do Giba
 Nosso Dáimon
 O Grito do Ipiranga
 Mirim
 Feiras e Mercados
 Em RHede
 Econotas
 Ambientais
 Agenda
.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
TURISMO

Artesanato e Turismo

   

Nisiene Roberta Harzke Gomes[1]

Poliana Fabíula Cardozo
[2]

 

publicado em 20/03/2009

O artesanato é um fator relevante para o turismo, pois quando um turista visita uma localidade, ele não tem necessidades como alimentação, hospedagem e transporte, mas também, deseja levar consigo uma lembrança do local visitado, a qual pode ser representada pelo artesanato.

De acordo com o Decreto n. 83.290, 13 de março de 1979, artesanato é uma atividade complementada ou não por intermédio de ferramentas ou máquinas, da transformação de matérias-primas naturais ou recicladas, na qual o produtor exerce sua criatividade, preserva sua identidade cultural e objetiva atendimento ao mercado consumidor. (DECRETO 83.290, 1979 apud PARANÁ, ARTE NOSSA, 2008, S/P).

o SEBRAE-AP (2005, apud CAVALCANTE, MARTINS E PEDROSO, 2007) menciona que o artesanato pode ser definido como a execução de hábito manual, com ou sem ajuda de ferramentas e mecanismos caseiros, que as pessoas dão às matérias brutas, sobras e lixo de consumo industrial, visando produzir peças utilitárias, artísticas e recreativas, com ou sem fim comercial.

Independentemente das definições expostas sobre o artesanato, pode-se entender que este é uma forma de valorizar o trabalho de quem o confecciona, contribuindo para que o produtor possa mostrar sua criatividade. É uma atividade essencialmente manual que na maioria das vezes não necessita da contribuição de máquinas industriais.

 

De acordo com Horodyski e Ruschmann (2007), a valorização das técnicas de produção artesanal é de suma importância para que o artesão não desista da sua tradição para ir em busca de outra, de maior comercialização. Ainda nesse contexto, a produção artesanal em maior escala não anula seu valor como patrimônio cultural, sendo que o artesanato pode ser produzido em quantidades maiores sem ser descaracterizado.

O SEBRAE/AP (2005, apud CAVALCANTE, MARTINS E PEDROSO, 2007) explana que a produção artesanal é ao mesmo tempo uma atividade econômica e uma manifestação ideológica e cultural de um amplo setor da população. Do ponto de vista econômico, o artesanato está imerso na crise agrícola de auto-subsistência, que obriga ao artesão diversificar a sua fonte de renda com outras atividades. O artesanato na região rural pode ser assim uma atividade para o complemento da renda familiar. Nas zonas urbanas encontram-se dois tipos de artesãos: os de tempo completo, que dependem exclusivamente da produção artesanal mais perto da imagem do operário/empresário que da imagem típica do artesão que trabalha somente com ferramentas manuais e elabora produtos rústicos com materiais locais; o outro tipo de artesão urbano é aquele que não depende da produção artesanal como forma de subsistência, tendo outras formas de renda alternativa.

O artesanato pode ser um atrativo tanto para a comunidade local quanto para os turistas compondo assim uma forma de oferta turística, sendo agregado a outras modalidades de oferta que estão presentes no turismo cultural sem desligar-se da identidade local.

Em um primeiro momento, para que a oferta turística possa ser melhor compreendida, Bahl (2004) menciona a mesma como matéria-prima para composição dos produtos turísticos, pois seus elementos associados sob diversas formas podem conformar vários produtos que serão comercializados a determinado preço, como o artesanato por exemplo.

Nesse sentido, Beni (2002) define a oferta turística como conjunto de equipamentos, bens e serviços de hospedagem, alimentação, de recreação e lazer, de caráter artístico, cultural, social dentre outros, capazes de atrair públicos visitantes numa determinada região e período de tempo.

 

De acordo com Renaux (1972 apud BENI 2002), a oferta constitui um fator determinante de uma demanda turística, podendo essa relação ser considerada como modelo de zona receptora e emissora. Dessa feita, a oferta é constituída de elementos tangíveis e intangíveis e não somente de um produto determinado.

Esses elementos tangíveis e intangíveis citados por Renaux (1972 apud BENI 2002) são os que podem ser tocados como, por exemplo, um prato típico, peças artesanais, roupas de danças típicas, dentre outros, e os que não podem ser tocados como o saber-fazer dos pratos, danças, artesanato, memórias de um povo e costumes. Esses bens tangíveis e tangíveis são fatores componentes da oferta turística de uma determinada localidade.

Para Beni (2002), existem dois tipos de oferta turística: a original ou atrativos turísticos primários, e a agregada. O autor ainda explica que os elementos turísticos primários de um país, são os bens livres e particularmente, os concernentes ao patrimônio turístico, provenientes da natureza ou dos legados histórico-culturais.

O segundo grupo é chamado de oferta agregada, ou oferta turística derivada, composta pelos transportes, alojamento, lazer e recreação, pelos organizadores de viagens e pelas agências de viagens. Ela não pode satisfazer a demanda, a não ser que haja combinação entre os diversos fatores da oferta derivada e da oferta original. (BENI, 2002)

 

No caso do trabalho em questão, tem-se o artesanato como parte integrante da oferta turística original.

De acordo com Santana (19--), o turista viaja com uma série de expectativas sobre o destino e, dentre elas, pode-se identificar algumas de índole cultural, como: tradições, gastronomia, artesanato, arte, arquitetura e até mesmo os elementos da história, música, dentre outros. Tendo o artesanato como uma dessas expectativas, o turista quando adquire esses produtos artesanais, está levando consigo parte da cultura do local visitado. Por isso, Santana (19--), afirma que pelas características próprias da viagem, é necessário que o objeto adquirido seja de fácil transporte e que se adapte às condições do comprador, ou seja, o turista.

Por esse motivo, as pessoas que produzem o artesanato devem estar atentas à estes aspectos, uma vez que os turistas viajam com expectativas de encontrar algo que lhes agradem e para que possam levar consigo uma recordação do local visitado.

 

Referências Bibliográficas

BAHL, Miguel. Legados Étnicos e Oferta Turística. Curitiba: Juruá, 2004.

BENI, Mário C. Análise Estrutural do Turismo. 7 ed. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2002.

CAVALCANTE, Nayara Sá.;MARTINS, Ieda Rodrigues F.; PEDROSO, Jonseliudo de Souza; A cultura amapaense expressada através do artesanato. Amapá, 2007.

HORODYSKI, Graziela S.; RUSCHMANN, Doris Van de M. Artesanato dos Campos Gerais do Paraná. Revista eletrônica de turismo cultural, n.01, 2007.

SANTANA, Agostín. ¿Nuevas hordas, viejas culturas?:La antropologia y el turismo. (mimeo) 19--

Fonte eletrônica

PARANÁ. ARTE NOSSA. Disponível na internet. http://www.artenossa.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=25 Acessado em 20/08/2008 


 

[1] Bacharel em turismo. Aluna especial do Mestrado em Geografia da Universidade Estadual de Ponta Grossa.  nisiturismo@hotmail.com

[2] Bacharel e mestre em turismo, doutoranda em geografia da Universidade Federal do Paraná. Docente e pesquisadora da Universidade Estadual do Centro-Oeste. polianacardozo@yahoo.com.br

 
  

spacer
::sobre o autor::

Poliana Fabiula Cardozo é bacharel e Mestre em Turismo (Unioeste/UCS), doutoranda em Geografia (UFPR). Docente da disciplina de Planejamento e Organização do Turismo para a Universidade Estadual do Centro-Oeste (Irati, Pr) e pesquisadora na modalidade continuada na mesma IES.

::contato com o autor::

Fale com o autor clicando aqui.

 
   ::participe::
 Cartas
 Blog
 Fale Conosco
 
 

::outros artigos::

Grupos folclóricos e oferta turística: uma reflexão preliminar
Cheila Camila Pereira
Poliana Fabíula Cardozo
publicado em 05/12/2008

A avaliação e hierarquização de atrativos turísticos  como ferramenta para o planejamento turístico
Joélcio Gonçalves Soares
Poliana Fabíula Cardozo
publicado em 05/12/2008 

Espaços urbanos frente à atividade turística
Diogo Lüders Fernandes
Poliana Fabíula Cardozo
Ronaldo Ferreira Maganhotto

publicado em 26/05/2008

Movimento turístico e a problemática ambiental
Diogo Lüders Fernandes
Poliana Fabíula Cardozo
Ronaldo Ferreira Maganhotto

publicado em 26/05/2008

Agenciamento e o desenvolvimento do turismo
Diogo Lüders Fernandes
Poliana Fabíula Cardozo
Ronaldo Ferreira Maganhotto

publicado em 10/05/2008

Questionamentos sobre as relações entre hospitalidade, visitantes, visitados e turismo
Diogo Lüders Fernandes
Poliana Fabíula Cardozo
Ronaldo Ferreira Maganhotto

publicado em 20/04/2008

Eventos turísticos e seus benefícios para o desenvolvimento do setor
Diogo Lüders Fernandes
Poliana Fabíula Cardozo
Ronaldo Ferreira Maganhotto

publicado em 20/04/2008

 

 

Planejamento turístico regional
Poliana Fabíula Cardozo
publicado em 02/04/2008
 

Planejamento turístico estratégico, tático e operacional
Poliana Fabíula Cardozo
publicado em 16/02/2008
 

Planejamento Turístico Participativo: para além dos discursos uma proposta para execução
Poliana Fabíula Cardozo
publicado em 23/01/2008
 

Elaboração de Planos, programas e projetos turísticos
Poliana Fabíula Cardozo
publicado em 16/01/2008

Turismo Rural e Viagens de Incentivo para terceira idade: Estudo de caso de Irati – PR
Janaína Ramos Ferreira e
Poliana Fabíula Cardozo
publicado em 15/11/2007


Planejamento Turístico Municipal
Poliana Fabíula Cardozo
publicado em 15/11/2007


Planejamento turístico e desenvolvimento sustentável
Poliana Fabíula Cardozo
publicado em 26/12/2007
 

Etapas e componentes do planejamento turístico
Poliana Fabíula Cardozo
publicado em 11/12/2007
 

Metodologia de Estudo da Oferta Turística
Poliana Fabíula Cardozo

publicado em 27/11/2007

 

Planejamento Turístico Municipal
Poliana Fabíula Cardozo
publicado em 15/11/2007
 

Turismo Rural e Viagens de Incentivo para terceira idade: Estudo de caso de Irati – PR
Janaína Ramos Ferreira e Poliana Fabíula Cardozo
publicado em 15/11/2007

::anúncios::






© copyright Revista P@rtes 2000-2009
Editor: Gilberto da Silva (Mtb 16.278)
São Paulo - Brasil
spacer