Cultura

Graciliano Ramos: memória e militância

Claudia Izique | Agência FAPESP Graciliano Ramos (1892 – 1953) foi preso em Maceió em 1936, quando o governo de Getúlio Vargas investiu contra a esquerda, em resposta aos levantes comunistas de 1935. Enviado ao Recife e transferido no porão de um navio para o Rio de Janeiro, o autor de Vidas Secas permaneceu 11 meses na Casa de Detenção e na Colônia Correcional de Dois Rios, na Ilha Grande, sem qualquer processo ou acusação formal. Deixou a prisão em 1937, graças à pressão de José Lins do Rego e de José Olympio, entre outros intelectuais. No mesmo ano, esboçou algumas notas sobre a sua experiência de cadeia. “Mas, de fato, ele só retomou a redação de Memórias do Cárcere em 1946, um ano depois...
Continue a Leitura »
Geografia

A História Social do Trabalho no Brasil e suas relações com a Pesquisa em Geografia

A História Social do Trabalho no Brasil e suas relações com a Pesquisa em Geografia Rafael Freire de Paula Resumo O objetivo central de nosso texto é refletir sobre as possíveis contribuições da história social do trabalho para as pesquisas realizadas no âmbito da geografia, sejam essas contribuições relativas a objetos de pesquisas, como estudos que dão protagonismo aos trabalhadores e suas diversas formas de organização, fortalecendo, portanto a classe trabalhadora na relação capital versus trabalho, bem como através de metodologias alternativas, como a história oral, que dá voz aos sujeitos envolvidos nos processos investigados, a análise documental, presentes em acervos diversos presentes em instituições públicas ou privadas e, ainda, de referenciais teóricos que refletem o papel do trabalho...
Continue a Leitura »
Contos

Meu superpoder

Meu superpoder Allexsander de Souza * Hoje quando vejo os desenhos de super-heróis com meus filhos, lembro-me de ter manifestado um superpoder que infelizmente só ocorreu um dia. Pena! Teria sido muito útil, mas a única vez que funcionou, salvou minha vida. Tinha 8 anos. Seguia para casa de minha avó, Dindinha, a pé. Era a primeira vez que seguia sozinho. Desta forma, sozinho, notei muitas coisas que não notara antes. Contemplava árvores, pedras, arbustos e, no meio do caminho, uma cerca: alta, bem fechada, com diversas ripas horizontais entrecruzadas com pequeno espaço entre elas. Apenas para que entendam esta aventura: entre uma ripa e outra mal cabiam as pontas dos meus pezinhos, os quais encaixei para escalar. Uns...
Continue a Leitura »
Educação

Educação escolar e avaliação

EDUCAÇÃO ESCOLAR E AVALIAÇÃO SCHOOL EDUCATION AND EVALUATION Silvia de Siqueira Resumo: Nos constituímos professores na prática, desde o primeiro momento como aluno, em um processo contínuo. A avaliação inerente ao processo de formação do acadêmico, aliado a necessidade de mudanças de paradigmas relacionados, faz repensá-la como algo fundamental numa perspectiva que considere o aluno um sujeito ativo na elaboração do seu conhecimento e aprendizagem. Assim, seus reais objetivos no processo de aprendizagem, deixam de ter a característica classificatória, excludente e punitiva, sendo este um processo complexo e multidirecional, por envolver o coletivo humano em toda sua individualidade. Palavras-chave: Avaliação; Aprendizagem; Aluno; Professor. ABSTRACT We become teachers in practice, from the first moment as a student, in an ongoing...
Continue a Leitura »
comportamento

A diferença entre estar só e estar sozinho

* Christian Moreira   Estar só é uma ação deliberada e consciente, porém sentir-se só é uma aflição para a alma. Em um mundo marcado por múltiplas possibilidades de encontros presenciais ou virtuais, e de incontáveis estímulos sensoriais, é cada vez mais difícil perceber-se sozinho. Graças aos avanços tecnológicos, a imensa maioria de nós tem “o mundo na palma da mão”. Onde quer que estejamos, alcançamos e somos alcançados. Por isso, A solidão foi sendo paulatinamente descrita como algo negativo, prejudicial e evitável. Convencionou-se que estar sozinho seria sinônimo de infelicidade, tristeza, não realização da plenitude de nosso ser. No entanto, nada poderia ser mais equivocado, pois como diziam os antigos: “deste mundo, chegamos sozinhos e partimos sozinhos.” É...
Continue a Leitura »
Terceiro Setor

Sustentabilidade: o desafio do terceiro setor

  Por Francisco Sogari Em 2017, o Instituto Gabi celebra 16 anos de atendimento à pessoa com deficiência. Firmou-se como referência e apoio para famílias que ouviram tantos “nãos” na busca por caminhos que levassem seus filhos à efetiva inclusão social. O grande desafio do Gabi, e de tantas outras ongs, com certeza, não é somente fazer um bom trabalho e transformar vidas de famílias inteiras. É buscar a sustentabilidade para que as ações não parem. Temos uma longa lista de espera desde a nossa fundação, mas a falta de recursos também limita a capacidade de atendimento. Esta é uma busca incessante que passa, obrigatoriamente, por uma gestão eficaz. Envolve planejamento estratégico – que inclui a adequada aplicação dos recursos...
Continue a Leitura »
Geografia

Aspectos da qualidade física do solo em um fragmento de floresta ombrófila mista no Faxinal Paraná Anta Gorda em Prudentópolis – PR

ASPECTOS DA QUALIDADE FÍSICA DO SOLO EM UM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA NO FAXINAL PARANÁ ANTA GORDA EM PRUDENTÓPOLIS-PR.   Aspects of physical quality of soil in a fragment of the ombropholic mixed forest in faxinal paraná anta gorda in Prudentópolis, Paraná. Taís de Oliveira* Solange Franciele Mageroski**   Resumo: O presente trabalho tem por objetivo identificar a umidade, densidade aparente e de partículas e a porosidade em diferentes camadas do solo em um fragmento de Floresta Ombrófila Mista, localizada no Faxinal Paraná Anta Gorda no Município de Prudentópolis no Estado do Paraná. A pesquisa foi realizada com a coleta de solos após a abertura de uma trincheira na media vertente onde foram coletadas três amostras em cada...
Continue a Leitura »
Amazônia

A colonização de Rondônia narrada pelos oprimidos: “desenvolvimento” regado a sonhos, desilusões e perdas

A COLONIZAÇÃO DE RONDÔNIA NARRADA PELOS OPRIMIDOS: “DESENVOLVIMENTO” REGADO A SONHOS, DESILUSÕES E PERDAS Gesse Ricardi Batista Garcia   Resumo: este artigo é oriundo de um trabalho realizado na disciplina de “Educação com Povos da Floresta”, ministrada pela Prof.ª Dr.ª Josélia Gomes Neves, no curso de Pedagogia da Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), campus de Ji-Paraná. Tem como objetivo uma reflexão a respeito do processo de colonização de Rondônia na perspectiva dos sujeitos oprimidos. O texto está fundamentado em depoimentos concedido por um colono que veio para o atual estado na década de 1970. Além disso, utilizamos a pesquisa bibliográfica como forma de subsidiar nossa reflexão: Neves (2012; 2013); Silva (2013). Enfim, acreditamos que reflexões dessa natureza...
Continue a Leitura »
Ciências

A Produção Científica da Geografia do Voto no Brasil nos Programas de Pós-Graduação entre 1985 e 2015

A Produção Científica da Geografia do Voto no Brasil nos Programas de Pós-Graduação entre 1985 e 2015 Lenon Galdino dos Santos * Alides Baptista Chimin Junior * Resumo: O presente trabalho buscou compreender como foi produzida a discussão da Geografia do Voto no Brasil por meio das publicações de dissertações e teses disponibilizadas online no banco de dados do IBICT. Percebemos que, o sub-campo Geografia do Voto é recente nos debates geográficos e carece de maior produção científica, uma vez que é um campo que abre possibilidades de pesquisa, tanto na Geografia quanto em outros campos do conhecimento. Palavras-chave: Epistemologia, Eleições, Pós-graduação, Geografia. Abstract: This study sought to understand how it was produced discussion of Vote of Geography in...
Continue a Leitura »
Crônicas

Entre voos e quedas

ENTRE VOOS E QUEDAS Margarete Hülsendeger Nós lidamos mal com a morte, essa coisa banal, única; não conseguimos mais colocá-la num contexto mais amplo. Julian Barnes Todos, em algum momento, desenvolvemos estratégias para lidar com a morte. Alguns choram, outros permanecem em silêncio, há os que se voltam para a religião e existem aqueles que, simplesmente, surtam. Eu, segundo familiares, estou no último grupo. Quando minha mãe faleceu, há mais de 20 anos, tive uma reação estranha: no velório mantive-me falante, quase alegre, fazia piadas, e não parava de repetir, para quem quisesse ouvir, que ela estava bem e, mais importante, eu estava ótima. Sim, é estranho, mas não faça julgamentos apressados. Obviamente, esse “bem” ou esse “ótima” era...
Continue a Leitura »
comportamento

Viagem ao interior: Solidão ou introspecção?

 por Eduardo Paulo Berardi Junior Há quem tenha optado por viver sozinho e alguém então indaga: Mas o que que te deu que você vive sozinho? Alguma decepção? Medo? Ou ninguém está à altura de viver com você? Que somos seres gregários não é preciso dizer… Se optamos por não ter um acompanhante para nossa vida, é uma coisa. Se ficamos isolados sem termos feito opção… aí a coisa é outra… De certa forma há um utilitarismo observado nas relações… “afinal, quando a velhice chegar o que vai ser de mim? Quem vai cuidar de mim?” O medo de percorrer a estrada sem parceria, pode ser apavorante. Assim, os outros são complementos do nosso percurso… uma necessidade e uma...
Continue a Leitura »
Ciência e Tecnologia

Desmistificando 5 mitos sobre projetos de IoT

Desmistificando 5 mitos sobre projetos de IoT Stephan Romeder (*) Como as empresas podem obter apoio para projetos de Internet das Coisas (IoT), ao mesmo tempo em que derrubam os conceitos tradicionais de gerenciamento de TI não apropriados para o planejamento de projetos de IoT? O primeiro mito a derrubar é que a Internet das Coisas (IoT) é nova. Na verdade, o conceito vem desde meados da década de 1980. O conceito machine-to-machine (M2M), como é conhecido no mundo corporativo, definiu a base para IoT décadas atrás. A diferença é que agora todos os dispositivos conectados inteligentes também estão conectados a uma rede e podem se comunicar com vários sistemas de TI de back-end para monitoramento de uso das...
Continue a Leitura »
Crônicas

Por que as mulheres fazem artesanato?

Por que as mulheres fazem artesanato? Sonia Regina Rocha Rodrigues Resumo: Desde a antiguidade as mulheres se ocupam de pequenos trabalhos manuais. Essa atividade, desdenhada por Simone de Beauvoir como mera ocupação para preencher o tédio, tem, no entanto, uma importância maior do que manter as mãos ocupadas. De fato, a atividade artística é prazerosa e auxilia na manutenção da saúde mental e emocional das pessoas (sim, porque homens também fazem artesanato!) Synopsis: Since ancient times women have been engaged in small manual labor. This activity, dismissed by Simone de Beauvoir as a mere occupation to fill the boredom, has, however, a greater importance than keeping the hands occupied. In fact, artistic activity is pleasurable and assists in maintaining...
Continue a Leitura »
Crônicas

O colecionador de gafes

Gilda E. Kluppel Quem nunca cometeu um deslize ao fazer um comentário impertinente? Depois vêm o embaraço e aquela sensação de mal-estar. Estamos, também, sujeitos às gafes do corretor ortográfico do WattsApp, sempre apressado em antecipar as palavras, colocando termos com sentido completamente diferente do que desejamos. Contudo, existem pessoas com maior predisposição em cometê-las, talvez seja o caso dos mais afoitos ao falar, quando não observam atentamente o outro ou a situação. Pior ainda, sequer perceber a gafe praticada. E nisto ele era pródigo. Desde o tempo da escola, sempre agia de modo apressado, respondendo as questões das provas rapidamente, para se livrar do “incômodo”. Consequentemente apareciam algumas frases estranhas, tais como: “A Terra é um dos mundos...
Continue a Leitura »
Crônicas

Serenamente sentado na praça

Por Gilberto da Silva Vou ficar por aqui, num canto de praça, esperando o ano acabar. Sentado no banco da praça olhando os pássaros. Como paulistano que sou poderia ver tiririzinho-do-mato, ferreirinho-de-cara-canela, beija-flor-preto, tesoura-de-fronte-violeta, beija-flor-roxo. Ah! tucano-de-bico-verde e bico preto verei com certeza. Na espera de meus braços abertos, com generosidade e paciência, abraçarei amigos e amigas que não se furtam a um afeto caloroso. Revisarei meus toscos textos, meus enroscos, meus desgostos, minha falsa modéstia.  De posse de meu caderno de anotações – com traços firmes e de cor forte – riscarei os nomes indesejáveis, primeiramente este, depois aquele etc. Olharei na agenda de telefones do celular e deletarei contatos inoportunos e incluirei outros poucos. Na virada para...
Continue a Leitura »
Crônicas

Massagem não comunicativa (para um ano menos pé no saco)

MASSAGEM NÃO COMUNICATIVA (PARA UM ANO MENOS PÉ NO SACO? por Zeh Gustavo Neste fim de ano só consigo pensar em comer, dormir, bebericar uns tiricotico, dar uma trepada e no meio disso bater uma, ops, bater perna e assim me manter improtegidamente fugidio. Como no resto do tempo? Um pouco menos. Vez-outra me adentro pelas manhas da redessoci, talvez atrás de curtir um tédio que otro, polegarzão pro cume, sempre a saudar as amizadi. Primeira observação, importanterésima (ui!): me cago en Dios pra tal economia de likes que, consciente ou inconscientemente, galerinha usa para prestigiar o que ou os que lhe darão prestígio (exclamações, redação inexistente, exclamações!!!). Tá, também dou uma selecionada básica, no sentido de boicotar, não...
Continue a Leitura »
Cinema

Virei um gato

  VIREI UM GATO              (EUA- 2016) Nair Lúcia de Britto   Kevin Spacey, ator consagrado, do filme “Beleza Americana”, agora é Tom Brand, nesta comédia graciosa, pura fantasia e gostosa de ver. Ele é um empresário, obcecado por seu trabalho e quer porque quer construir o maior arranha-céu, na cidade de New York; e por estar tão preocupado em ganhar a concorrência com outro prédio, em Chicago não dá a devida atenção à família. Nem mesmo à sua filha Rebeca (Melina Weissman) que há muito sonha em possuir um gato. Só que o pai dela não suporta felinos; mas, quando a menina lhe pede um gato, de presente de aniversário, ele finalmente resolve comprar o Bola de Pêlos, um gato...
Continue a Leitura »
Cultura

Pesquisa revela profissão de Machado de Assis

Pesquisadora da UFSCar levou cinco anos para finalizar estudo e utilizou documentos e análise da obra do autor   De Coordenadoria de Comunicação Social – Universidade Federal de São Carlos Muito já se especulou sobre a vida profissional do escritor Joaquim Maria Machado de Assis. As inúmeras biografias relativas a um dos principais escritores brasileiros concordam quanto ao posto de funcionário público que ocupou, e que este era a principal fonte de receitas do autor, que chegou ao posto de Diretor-Geral de Contabilidade do Ministério de Viação em Obras ao final de sua trajetória profissional. Mas, teria Machado de Assis sido lançado como diretor na área de Contabilidade por indicação política ou por mérito, pela atuação e competência na...
Continue a Leitura »
Todas as categorias

Bonitos no céu, mas perigosos para a audição

* Isabela Carvalho O fim de ano já está batendo à nossa porta, trazendo de volta um costume comum na hora da virada: a queima de fogos de artifício. Apesar da explosão de luzes e beleza no céu, os artefatos podem trazer sérios danos à saúde auditiva, além de riscos de acidentes e queimaduras durante o manuseio. Tradição milenar para celebrar datas especiais, que veio da China há mais de 2000 anos, a queima de fogos produz um barulho intenso; e aí é que está o perigo. Os vilões são os foguetes e rojões. Eles podem acarretar um trauma acústico ou a perda de audição uni ou bilateral, que pode ser temporária ou, nos casos mais graves, irreversível. O...
Continue a Leitura »
Cultura

Macaúbas: tricentenário de um mosteiro mineiro, com influência alagoana

*Olegário Venceslau da Silva Os pálidos e contumazes ventos remontam às antigas vielas duma antiquíssima Penedo, que se banha amiúde no frescor das mansas águas do Velho Chico, com suas manias de curvas. Sob o orago perpétuo de santos católicos e olhares contemplativos das desbotadas e seculares torres das igrejas locais, feito sentinela permanente a guardar seus filhos, que transitam sobre íngremes ruas de pedras sobrepostas, e descansam suas fadigas à sombra dos casarios barrocos quando dos dias quentes e ofegantes da bucólica cidade interiorana, com traços aristocráticos e opulência imperial, que fazem jus àquela comuna nativista. As sapientes palavras do poeta Castro Alves, num linguajar sonetista traduzia com perfeição e síntese o tempo, em suas mais diversas formas...
Continue a Leitura »