Igreja do Pátio do Colégio

Lincoln Secco, membro do grupo de estudos D’O Capital, é autor desta série sobre as mais antigas igrejas da cidade de São Paulo, segundo Lincoln, os santos são muitos e há para todos os dias e os estudos da variação regional e histórica de suas devoções contribuiriam muito para se conhecer a história popular do Brasil.

A escolha da colina central de São Paulo para se fundar a Igreja e o Colégio dos Jesuítas, em 1554, atesta o papel pioneiro da construção das primeiras capelas na origem da maioria das cidades brasileiras. Princípio que foi lembrado por Pierre Monbeig: “O papel das capelas e dos santos nas origens urbanas do Brasil é de há muito reconhecido”. E mais adiante: “Não deixa de ser verdade que estas fundações piedosas serviram de pontos de ligação e de núcleo de agrupamento; não é esta uma prova de sua inteligente localização?” (Pierre Monbeig, “O estudo geográfico das cidades”, p.15). E ainda que se releve a primeira fundação de Piratininga por Martim Afonso de Souza em 1532, há documentos que atestam a criação, parelha com a Vila, de uma capela, anterior, portanto, à que se iniciou em 1554. Entretanto, esta primeira Vila não teve prosseguimento, embora mostre a importante posição de São Paulo, como “centro de irradiação” para regiões e climas tão díspares, o que chegou a fazer de São Paulo ponto estratégico para toda a bacia do Prata (Cf. Jaime Cortezão, A fundação de São Paulo, capital geográfica do Brasil, p.123). Ainda sobre o caso específico de São Paulo, veja-se o que disse Caio Prado Jr.: “A superioridade do sítio de S. Paulo é incontestável, e é provável que os jesuítas o tivessem escolhido justamente por isso. Em primeiro lugar com relação à defesa contra as ameaças e ataques do gentio; circunstância importantíssima, primordial, nas condições da época e que não passaria por certo desapercebida ao observador de então.
A aldeia jesuítica possuía a este respeito uma posição estratégica esplêndida. Ocupava no alto de uma colina – onde hoje está o Largo do Palácio ou Pátio do Colégio – um sítio naturalmente defendido por escarpas abruptas e acessível por um lado apenas”. (Caio Prado Jr. “O fator geográfico na formação e no desenvolvimento da cidade de São Paulo”, p.103). As próprias Atas da Câmara, aos doze dias do mês de maio da era de mil quinhentos e sessenta e quatro anos, asseveram a superioridade “econômica” e estratégica da Vila de São Paulo do Campo, “edifiquada doze leguas pela tera dentro cõ muito trabalho longe do mar e das ditas vilas de sãotos e são vicente por qto se não podião sostentar assim ao prezente como pelo tempo hadiãte porquanto ao longo do mar se não podião dar os mãotimentos pª sostentamtº das ditas vilas engenhos nem haverem pastos em quem podessem paser ho muito gado vacum que há na dita vila e quapitania”. Uma primeira referência ao Pátio do Colégio aparece nesta mesma data: “o mosteiro de são paulo dos padres da cõpanhia de jeshu q nela (a vila de São Paulo – L.S.) esta fazendo muito fruito as allmas cõ sua dtrina e cõvertendo muitos indios e fazendo-os cristãos”. Por essa época, o Padre Manoel da Nóbrega já podia afirmar com orgulho: “Fizemos casa e igreja” (Domus et Domuncula). Deixemos de lado a polêmica, que interessa mais aos historiógrafos, sobre a existência, atestada por documentos jesuítas da época, de uma capela velha, anterior à chegada de Nóbrega e Anchieta, e alusiva à Piratininga de 1532… Importa guardar que o primitivo templo de taipa de pilão, da época da fundação de São Paulo (1554-1556) resistiu até 1640. Nessa época os jesuítas foram expulsos de São Paulo, por divergirem seriamente da prática da escravização indígena para fins mercantis. Sua volta deu-se em 1653, quando o templo foi reconstruído, com a ajuda de muitas pessoas gradas da vila de São Paulo. A nova expulsão dos jesuítas deu-se em 1759, por obra da política ilustrada e despótica do Marquês de Pombal.
Desse modo, serviu o Colégio de palácio do governo, passando por reformas na época do governador D. Luiz Antonio de Souza Botelho Mourão, o Morgado de Mateus. O Pátio do Colégio passou a ser chamado de Largo do Palácio por muito tempo. Em 1766, o referido governador, em carta ao Primeiro Ministro de D. José I, o futuro Marquês de Pombal, dizia que “este Collegio, que foi dos jesuítas especialmente o Seminário em que estou aquartelado” estava entre os templos “mais suntuosos” da cidade. São Paulo então não possuía mais do que 830 fogos e uma população de menos de 4 mil pessoas. A Igreja, entretanto, resistiu. Mas até o fim do século XIX. Sob o olhar frio do interesse, foi disputada judicialmente pelo governo que ansiava por destruí-la. O que nem foi necessário, porque fechada e sem manutenção, a mais antiga igreja paulistana, marco da fundação da metrópole, raiz da urbe maior do Brasil, desabou em 1896. Seus restos foram demolidos a dinamite, porque era preciso apagar de vez o passado jesuíta e colonial da cidade. Parte das pedras foi curiosamente utilizada na construção de um monumento a D. Antônio Joaquim de Mello, situado no antigo Seminário Episcopal. Tratava-se de uma estátua de bronze sobre o granito, feita pelo escultor italiano Alfredo Seganti.
Depois disso, a história do Colégio dos jesuítas adormeceu por cerca de meio século! Por ocasião das comemorações do IV centenário de São Paulo, em 1954, reavivou-se a idéia de reconstruir o Colégio e a Igreja do Bom Jesus, a ele contígua. O processo foi lento, e só findou nos anos 70, aproveitando-se o que restou das antigas fundações da igreja seiscentista. O Colégio passou a ser propriedade da Sociedade Brasileira de Educação, mantida pelos jesuítas. Mandados por lei, e muito mais por gosto e dever de ofício, esses jesuítas obrigam-se a manter cursos para jovens carentes e a administrar um museu que eterniza a memória de São Paulo e do Beato Anchieta, fundador e primeiro educador “paulista”. Seu fêmur e seu manto estão expostos na Igreja. Que também possui um pátio interno, infelizmente transformado em estacionamento de veículos, mas que abriga, com algum aperto, um dos bons cafés da cidade.

 

 

Em 2009 a igreja passa por sua última reforma onde se buscou a unidade entre a celebração e o espaço litúrgico. Finalmente em 2014 a igreja tem seu padroeiro canonizado pelo papa Francisco e passa a se chamar “Igreja São José de Anchieta”. É neste ambiente amplo e com decoração única que a igreja acolhe seus fiéis nas missas cantadas, sempre acompanhadas pelo órgão de aproximadamente mil tubos sob a direção da Schola Cantorum, e nas celebrações de batismos e casamentos. (redação)

Missas

Terça-feira
12:00
Quarta-feira
12:00
Quinta-feira
12:00
Sexta-feira
12:00
Domingo
10:00

Sacramentos

Batizados

Entre em contato com a Igreja para mais informações.

Crisma

Entre em contato com a Igreja para mais informações.

Curso para noivos

Entre em contato com a Igreja para mais informações.

Primeira eucaristia

Entre em contato com a Igreja para mais informações.

Confissões

DIA
INÍCIO
FIM
De segunda a sexta-feira
Agendar na secretaria
Sábado
Agendar na secretaria

Post Author: partes