Caravela

Por Sandra Kezen

Escrevo palavras breves.
Escrevo e não sei por quê.
Escrevo versos bem leves.
Escrevo o que ninguém lê.

Escrevo, que a noite é fria.
Escrevo mais para mim.
Escrevo em agonia.
Não sei por que sou assim.

Procuro a palavra solta,
aquela que ninguém vê,
que colho no ar, revolta,

idéia imprecisa e bela,
que escolho sem ter por quê
e lanço ao mar, caravela.

 

Sandra Kezen é professora e coordenadora do Laboratório de Línguas da Faculdade de Direito de Campos e da Faculdade de Odontologia de Campo

Post Author: partes