Conduta ética num mundo corrompido

“Para que haja conduta ética é preciso que exista o agente consciente, isto é, aquele que conhece a diferença entre o bem e o mal, certo e errado, permitido e proibido, virtude e vício”, Marilena Chauí, em “Convite à Filosofia”.  

Cada dia mais vemos nossos sonhos e nossos heróis morrendo de overdose. Já no alvorecer do novo milênio, apesar dos discursos de mudança dos que pregam o advento de novos paradigmas e da revisão dos conceitos. Os desafios para a mudança de paradigmas e da construção da sociedade do conhecimento parecem parar diante da não inclusão das pessoas, do fim da cidadania e da afirmação do homem mercadoria, do homem consumidor.

A massa de aflitos, a massa de despossuídos sucumbem diante da permanência do não ético, da corrupção. 

A luta por uma sociedade igualitária parece não encontrar eco nas pessoas. O que vemos é o aprofundamento da crise ecológica, da opressão da mulher, o aumento do racismo e de toda forma de preconceito.

Mudanças no comportamento são solidificadas a passo de tartaruga, enquanto assistimos o velho filme da falta de educação, do aumento da pobreza. Tempo de incerteza e caos. Como sobreviver?

Publicado em:

http://www.partes.com.br/ed20/educacao.asp

Post Author: revistapartes