O Farmacêutico como profissional e seu compromisso com a saúde

Esta é uma época em que muito se fala em inclusão no mundo do trabalho. Alega-se haver inúmeras oportunidades, por um lado. Por outro, alega-se haver uma crise estrutural de emprego. Também a área farmacêutica tem estado à mercê dessas possibilidades. Porém, para além da inclusão tão somente no trabalho, vale refletir-se sobre a ação dos farmacêuticos em relação à saúde, revelando haver outros modos de perceber-se a profissão.

O farmacêutico possui uma grande variedade de áreas de atuação. Trata-se de um profissional que tem a capacidade de se inserir desde em drogarias até em setores relacionados à indústria de alimentos, medicamentos e cosméticos, laboratórios, unidades básicas de saúde (UBS), hospitais e até mesmo na distribuição e transporte de cargas de medicamentos.

Durante o decorrer do curso de graduação em Farmácia, é possível produzir importantes e muito valiosa aprendizagem referente a conceitos técnicos fundamentais para o exercício da profissão. Mas, pelo fato de nenhuma disciplina cursada conseguir traduzir com exatidão a experiência adquirida frente ao contato com a realidade, a oportunidade de atuação junto a pacientes e a situações cotidianas torna-se insubstituível. Essa situação permite uma mudança de atitudes e pensamentos por parte do acadêmico, revelando que o profissional deve estar preparado técnica e psicologicamente para responder às necessidades do paciente, pois estes precisam de orientação, confiam nos profissionais da saúde e buscam nestes a informação adequada.

A atenção farmacêutica (AF) é uma atribuição exclusiva do profissional farmacêutico, e pode ser considerada a missão da profissão de Farmácia. De acordo com a proposta para o Consenso Brasileiro de Atenção Farmacêutica, publicado em 2002 pela Organização Pan-Americana da Saúde, a AF compreende atitudes, valores éticos, habilidades, compromissos e corresponsabilidades na prevenção de doenças, promoção e recuperação da saúde. É a interação direta do farmacêutico com o usuário, visando a uma farmacoterapia racional e à obtenção de resultados definidos e mensuráveis, voltados para a melhoria da qualidade de vida. Desse modo, os profissionais da Farmácia acompanham a evolução da saúde do paciente. Dessa forma, o farmacêutico nunca irá tratar apenas de questões referentes aos medicamentos. Torna-se necessário ver o paciente como um todo, avaliar sua saúde por inteiro, o que exige dos profissionais uma atitude ética e um compromisso com o objetivo principal da equipe, que é o de produzir saúde, através da prevenção, do cuidado, auxiliando também no tratamento e na recuperação.

Por esses motivos, como profissional da saúde, o farmacêutico necessita estar engajado em sua equipe na missão de defender a vida e garantir do direito à saúde por parte do usuário. Mais do que informar sobre o uso correto de medicamentos, o farmacêutico tem o importante papel de informar o cidadão sobre todas as questões que envolvem a saúde: desde o perigo da automedicação até os cuidados para a eficácia do tratamento.

Para tanto, há a necessidade de estabelecer uma relação de vínculo entre profissional e usuário. O farmacêutico torna-se responsável e comprometido em dar respostas às necessidades de saúde trazidas pelo paciente. O profissional agirá de modo a escutar a queixa, os medos e as expectativas, identificar os riscos e a vulnerabilidade, e se responsabilizar para dar uma resposta ao problema.

Assim, é possível concluir que grandes conhecimentos técnicos não são suficientes em todas as áreas profissionais, e em Farmácia em particular, se não soubermos lidar com as pessoas, acolher, escutar e interferir no momento certo. É preciso entender a forma de falar, e responder com a linguagem adequada, prestando a informação de forma clara para que possa ser compreendida pelo ouvinte. Além disso, o farmacêutico é um profissional de nível superior indispensável para a saúde, pois promove a cura e a melhoria da qualidade de vida da população com atitudes éticas. Garante o recebimento de toda a informação necessária para um resultado eficaz de tratamento, além do acompanhamento terapêutico. Não deve ser visto apenas como o profissional do medicamento, pois cada vez mais se torna, também, o profissional do paciente, tendo qualificação para tanto.

 

FERNANDA FERREIRA GÖLLER

Farmacêutica

fernandagoller@hotmail.com

 

Post Author: partes