Turismo no Brasil cresce, mas sinalização ainda é problema

Carolina Gonçalves
Repórter da Agência Brasil

Brasília – O boom turístico vivido pelo Brasil tem sido fortemente impulsionado pelos grandes eventos mundiais sediados no país que trouxeram, com os visitantes de todo o mundo, duras críticas à qualidade de serviços básicos do setor. Apenas neste ano, o Brasil recebeu a Copa das Confederações e a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) e, na agenda para 2014 e 2016, o número de turistas domésticos e estrangeiros deve se multiplicar, com a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

No ano passado, o setor movimentou R$ 247 bilhões. O valor superou as marcas de 2011 (R$ 238 bilhões) e de 2010 (R$ 228 bilhões). Especialistas dos setores público e privado consideram esses grandes eventos mundiais uma oportunidade para o país se consolidar como destino de muitos turistas no pós-2016, se a impressão deles sobre o país for positiva.

Mas a experiência vivida por algumas cidades que sediaram jogos da Copa das Confederações, em junho, deixou claro, por exemplo, que a sinalização nos principais destinos procurados pelos viajantes precisa ser melhorada. A deficiência, e até mesmo ausência de placas e outras formas de indicação de lugares, foi um dos itens mais criticados por turistas estrangeiros que responderam uma pesquisa do Ministério do Turismo.

Em outro levantamento contratado pelo governo, mais de 20% dos brasileiros que viajaram pelo país em 2011 classificaram como ruim a sinalização turística nos destinos nacionais. A mesma pesquisa mostrou que, para os estrangeiros que avaliaram, no mesmo ano, 16 serviços turísticos, a sinalização das cidades ocupa a 12ª posição, superando apenas as críticas atribuídas à qualidade dos aeroportos, aos serviços de telefonia e à internet, às condições das rodovias e aos preços.

No ano passado, o governo federal destinou R$ 38,5 milhões para que as cidades-sede da Copa do Mundo investissem em sinalização turística. Na semana passada, o Ministério do Turismo anunciou que R$ 19 milhões foram reservados para a colocação de placas indicativas, desta vez, nas cidades históricas. Mais de 30 destinos, em 17 estados, vão receber ajuda financeira para adequar esses mecanismos de comunicação aos padrões internacionais.

Pelas previsões da pasta, R$ 7,3 milhões serão divididos entre 13 cidades da Região Nordeste, como Itaparica, na Bahia, São Luís, no Maranhão, Parnaíba, no Piauí, Aracati, no Ceará, e João Pessoa, na Paraíba, além de Fernando de Noronha. A Regão Sul receberá R$ 3 milhões para aplicar em localidades como São Miguel das Missões e Pelotas, no Rio Grande do Sul, Florianópolis e Laguna, em Santa Catarina, e Antonina, no Paraná.

Congonhas, Diamantina, Mariana, Ouro Preto, Sabará, São João Del Rei e outras cidades de Minas Gerais, de São Paulo e do Rio de Janeiro vão receber R$ 5,5 milhões. No Centro-Oeste, os municípios de Corumbá, em Mato Grosso do Sul, e Goiás e Goiânia, em Goiás, vão dividir o bolo de R$ 2 milhões. Na Região Norte, Belém contará com R$ 1 milhão para investir em sinalização turística.
Edição: Nádia Franco
Agência Brasil

Post Author: revistapartes