De olho nas estrelas, para alfabetizar

DE OLHO NAS ESTRELAS, PARA ALFABETIZAR

Valdecira Aparecida da Silva Moreira [ ]
Maria de Fátima Perles Scamocin [ ]

Valdecira Aparecida da Silva Moreira – valdeciracolorado@hotmail.com- Pedagoga, Especialista em Gestão Escolar; Supervisora da Escola 16 de Junho Colorado do Oeste- Rondônia-; mestranda em Ciências da Educação pela UDS-Chile

Resumo: O artigo de olho nas estrelas para alfabetizar, consiste na apresentação de pesquisa bibliográfica e relato de experiência, vivenciado durante o ano de 2017, na Escola 16 de Junho no município de Colorado do Oeste-Rondônia, com o objetivo de socializar ações que promoveram a mudança de comportamento em relação à indisciplina dos alunos por meio de motivação da conquista de estrelas.
Palavras-chave: Estrelas, Mudança, Disciplina

ABSTRACT: The article with an eye on the stars for literacy, consists of the presentation of a bibliographical research and experience report, lived during the year 2017, at the School of 16 June in the city of Colorado do Oeste-Rondônia, with the objective of socializing actions that promoted the change of behavior in relation to student discipline through motivation of the achievement of stars.
Keywords: Stars. Change. Discipline

 

Introdução
A ação do Projeto de olho nas estrelas para alfabetizar surgiu da necessidade de desenvolver ações de promoção da disciplina em sala de aula, no ano de 2017, em uma turma do 3º ano, a qual foi diagnosticada vários alunos indisciplinados, e com problema acentuado de aprendizagem.
Diante do quadro apresentado, o caminho a percorrer foi à busca por ações que chamasse a atenção da turma, motivando-os, a querer aprender. Foi quando por intermédio de diálogo ou rede de conversa entre educadores, por meios eletrônicos, surgiu o tema indisciplina em sala de aula, falou-se das inquietações, das frustrações, por não estar rendendo em sala, tanto quanto deveríamos mesmo nos dedicando tempo integral a turma.

Maria de Fátima Perles Scamocin – fatimascarmocin@hotmail.com – Professora, Pedagoga; Pós graduada em Alfabetização e letramento. Professora nível III/SEDUC/RO.

Foi quando uma educadora relatou que havia utilizado uma estratégia de presentear seus alunos que tivesse um bom comportamento com uma estrelinha no final do período e que esta estratégia havia tido sucesso na turma.
Então na tentativa de resolução da problemática, optou-se por reeditar, adaptar, recriar a dinâmica utilizada com sucesso por outra professora. Começamos a nos organizar, providenciando carimbo com uma estrela, convocou-se reunião com a equipe pedagógica da escola, relatou-se as angustias, expectativas, em relação ao projeto, começamos a estrutura-lo, sempre com foco no combate a indisciplina da sala de aula pela motivação dos alunos.
Na sequência foram envolvidos os pais, por meio de reunião para esclarecimento e busca de parceria na execução das ações que viriam a seguir. Em relação aos conteúdos curriculares no Projeto de olho nas estrelas para alfabetizar trabalhou-se: temas interdisciplinares, organização do ambiente; combate ao Bulliyng; concentração; respeito; regras de convivência e valores.
O projeto de olho nas estrelas para alfabetizar, teve a duração de um bimestre letivo, no entanto seus resultados mostram-se duradouros e eficientes.

Fundamentação teórica
O ser humano e movido pela motivação seja ela pessoal ou grupal, os alunos aprendem melhor quando estão motivados a aprender, para OLIVEIRA (2008, p18), alunos inteligentes, mas desanimados, precisam de desafios ou de uma variação de tarefas e de métodos mais participativos. Cabendo a escola, promover ações que despertem o interesse dos alunos.
Ainda sobre o tema motivação, Torre (2000) relata:

Em primeiro lugar, o ser humano, o aluno, é alguém que se move por diversos motivos e emprega uma energia diferencial nas tarefas que realiza. Esse caráter de pluridimensionalidade evita a tentação de interpretar a conduta humana como devida a um só fator e convida à reflexão pessoal e ao exame das razões por que as pessoas fazem o que fazem. Respostas simples devem ser descartadas. Em segundo lugar, motivar para aprender implica lançar mão de recursos não exclusivamente pontuais, que obedeçam apenas a um momento determinado. […] trata-se de instaurar processos motivacionais que tendam a realimentar-se nos alunos. […] Em terceiro lugar, saber motivar implica ter presentes tanto os contextos da aprendizagem mais próximos, como os mais distantes, desde o espaço físico até a família, passando pelos ambientes informais e legais. […] A motivação escolar é algo complexo, processual e contextual [… (TORRE 2000, p. 9).

Projetos de combate à indisciplina tornam-se mais eficientes quando família se envolve, motivando os filhos a aprendizagem. O Projeto de olho nas estrelas para alfabetizar despertou o espirito de competitividade entre os alunos e familiares, pois na reunião promovida pela escola, os pais mais participativos na vida dos alunos, também receberam estrelas.
A motivação do ganho de estrelas, levou os alunos e pais a se empenharem na luta pela aprendizagem dos alunos. Para (Balancho e Coelho, 1996)

A motivação, ou o motivo, é aquilo que move uma pessoa ou que a põe em ação ou a faz mudar de curso. A motivação pode ser entendida como um processo e, como tal, é aquilo que suscita ou incita uma conduta, que sustenta uma atividade progressiva, que canaliza essa atividade para um dado sentido (BALANCHO e COELHO, 1996)

Por acreditar que pessoas motivadas fazem coisas extraordinárias, e ao entenderem que somente receberiam sua estrela os alunos capazes de se concentrar nas atividades de sala de aula, o comportamento dos mesmos começou a se transformar, logo a partir da primeira semana das ações do projeto.
Para Burochovitch & Bzuneck (2004 p.14) “A motivação tornou-se um problema de ponta em educação, pela simples constatação de que, em paridade de outras condições, sua ausência representa queda de investimento pessoal de qualidade nas tarefas de aprendizagem”.
Para Callegar (2008 p.103) Quando se fala de motivação não pode esquecer seu caráter temporal. Isso equivale a dizer que a motivação sofre oscilações ao longo do tempo e que, portanto, um aluno não é desmotivado, ele pode estar desmotivado. Até mesmo um aluno motivado não o é todo o tempo com a mesma intensidade. Nesse sentido, é necessário que os alunos sejam constantemente observados e que não haja, por parte do professor, uma postura determinista com relação a alguns alunos.

Projeto de olho nas estrelas, para alfabetizar
Atualmente, um dos grandes desafios para os educadores alfabetizadores é enfrentar a indisciplina nas salas de aula. Como fazer? O que fazer? Não existem receitas. No entanto a motivação surge como possível estratégia.
Para motivar os alunos a se concentrar nas atividades, amenizando assim a indisciplina na sala de aula, conversou-se com a turma, para apresentar o projeto, por meio de roda de conversa, no qual se falou sobre o carimbo e cartãozinho estela, das possíveis ações as quais os alunos precisariam fazer para garantir a estrelinha.
Na sequência convocou-se os pais, relatou a problemática vivenciada em sala de aula, explicou-se os objetivos do projeto, falou sobre a importância da participação deles no acompanhamento das atividades escolares, e que todos os dias ao final da aula, os alunos que conseguisse ter indisciplina zero na aula, receberiam uma estrela na mão direita e no final de semana eles levariam para casa um cartão com o número de estrelas recebidas na semana, o qual deveria ter a assinatura pelos pais, e devolvida para a professora.
No dia da reunião de pais, os filhos que tiveram maior numero de estrelas em seu cartão, os pais receberam como incentivo uma estrela em reconhecimento ao trabalho de parceria realizado com a escola.

Considerações Finais
Parte da indisciplina escolar pode estar relacionada a questões familiares, quando a escola consegue desenvolver projetos, ações que motive a parceria escola/família, partes significativas da dificuldade de alfabetizar são solucionadas.
Alunos indisciplinados muitas vezes trazem para a escola os valores, angustias e comportamentos indesejáveis, cabendo à escola suprir estas necessidades por meio de reforço de atitudes positivas.
Educar é um processo que envolve a participação de todos na transmissão de valores que são essenciais para a construção da personalidade da criança. A disciplina, como criadora de condições para aprender, não pode cuidar de condições individuais, deve cuidar também de criar um ambiente, um clima, que ajude as pessoas a aprender.
Ressalta-se que garantir um ambiente de cooperação, em que o valor humano, o respeito, a dignidade e a integridade marquem as relações entre os sujeitos e de extrema importância, na luta pela qualidade da educação.

Referências
BALANCHO, M. J. S.; COELHO, F. M. Motivar os alunos, criatividade na relação pedagógica: conceitos e práticas. 2. ed. Porto, Portugal: Texto, 1996.
BORUCHOVITCH, E.; BZUNECK, J. A. (orgs.). A motivação do aluno: contribuições da psicologia contemporânea. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2001
BZUNECK, J. A. As crenças de auto-eficácia dos professores. In: F.F. Sisto, G. de Oliveira, & L. D. T. Fini (Orgs.). Leituras de psicologia para formação de professores. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2000.
CALLEGAR, Marília Oliveira Vasques, Universidade de São Paulo. Faculdade de Educação, 2008.
OLIVEIRA, JOÃO EDUARDO BASTOS MALHEIRO DE A MOTIVAÇÃO ÉTICA NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL
TORRE, J. C. A motivação para a aprendizagem. In: ALONSO TAPIA, J.; CATURLA FITA, E. A motivação em sala de aula: o que é, como se faz. 3ª.ed. São Paulo: Edições Loyola, 2000. p. 7-10

Post Author: partes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *