O Processo de Letramento de uma Jovem com Déficit Cognitivo na Modalidade de Ensino EJA

http://portal.mec.gov.br/images/stories/noticias/2016/pronatec_pronateceja.png

Eliziane Tainá Lunardi Ribeiro *

Henrique Bevilaqua Ceresér**

 

RESUMO 

Este artigo caracteriza-se como um relato sobre uma pesquisa desenvolvida com uma estudante com déficit cognitivo de dezessete anos de idade que frequenta a modalidade de ensino de EJA, da rede pública do município de Santa Maria/RS. Objetiva refletir acerca da linguagem no processo de letramento, dessa estudante, segundo a perspectiva da autora Magda Soares (1997, 2010). É uma pesquisa de caráter qualitativo, um estudo de caso etnográfico, no qual se utilizou de observações participantes com a estudante J, em situações do cotidiano escolar.

Palavras-chave: EJA, Escola, Letramento, Linguagem.

 

RESUMEN 

En este artículo se caracteriza por ser un informe sobre un estudio llevado a cabo con un alumno con déficit cognitivo de diecisiete años de edad que asiste a la modalidad de enseñanza de educación de adultos, el público en el municipio de Santa Maria/RS. Tiene como objetivo reflexionar sobre el lenguaje en el proceso de alfabetización, este estudiante, desde la perspectiva del autor, Magda Soares (1997, 2010). Se trata de un estudio de investigación cualitativa, un estudio de caso etnográfico, que se utilizó la observación participante, con la J estudiante, situaciones cotidianas en la escuela. 

Palabras clave: educación de Adultos, Escuela, Alfabetización, Idioma.

 

 

Todos os educandos trazem para escola uma bagagem cultural, social, política, aspectos que fizeram e fazem parte de suas vivências não apenas na família, mas nos diversos ambientes sociais. Em razão disso, precisam ser compreendidos como sujeitos que possuem uma história de vida permeada por conhecimentos que não necessariamente são os “conhecimentos escolares”, como, por exemplo: regras gramaticais da Língua Portuguesa, regras de cálculos numéricos.

Sob todos os educandos é necessário um olhar que os perceba em sua inteireza, porém com os educandos da modalidade de ensino de Educação de Jovens e Adultos (EJA) é indispensável, pois se trata de jovens e adultos com idade a partir de 15 (quinze) anos, que em sua maioria são trabalhadores, tem filhos, família, anos longe da escola ou até mesmo nunca chegaram a frequentá-la. Enfim, trata-se de sujeitos que possuem um maior tempo de história de vida fora da escola.

Nessa modalidade, os alunos em sua maioria provêm de um determinado grupo com “características comuns”, em contrapartida constituído de diversos grupos culturais. Segundo Oliveira (1999), a homogeneidade dos alunos jovens e adultos podem ser indicadas pelas seguintes características: adultez, a condição de excluídos da escola e a condição de membros de determinados grupos culturais. Ela ainda afirma que a EJA[i] é uma modalidade de ensino que incorpora os jovens e adultos dos seguintes segmentos:

O adulto, para a educação de jovens e adultos […] é geralmente o migrante que chega às grandes metrópoles, proveniente de áreas rurais empobrecidas, filho de trabalhadores rurais não qualificados e com baixo nível de instrução escolar (muito frequentemente analfabetos), ele próprio com uma passagem curta e não sistemática pela escola e trabalhando em ocupações urbanas não qualificadas, após experiências no trabalho rural na infância e na adolescência, que busca a escola tardiamente para alfabetizar-se ou cursar algumas séries do ensino supletivo. E o jovem, relativamente recentemente incorporado ao território da antiga educação de adultos […] é também um excluído da escola, porém geralmente incorporado aos cursos supletivos em fases mais adiantadas da escolaridade, com maiores chances, portanto, de concluir o ensino fundamental ou mesmo o ensino médio. É bem mais ligado ao mundo urbano, envolvido em atividades trabalho e lazer mais relacionado com a sociedade letrada, escolarizada e urbana (Oliveira, 1999, p. 15-16).

As características que a autora traz dos sujeitos que compõem a modalidade EJA pertencem a turma de educandos de que a estudante J faz parte. A estudante J é uma jovem de dezessete anos que possui Déficit Cognitivo que, após passar por vários processos de inclusão/exclusão em sala de aula do ensino regular, participar de Classes Especiais (classes especificas para alunos com algum déficit), agora se encontra frequentando a turma da modalidade de ensino EJA e o AEE[ii] oferecido na escola.

Torna-se necessário que a escola considere os saberes desses sujeitos, educandos da modalidade EJA, porque se tratam de pessoas que apesar de não saberem ler e escrever, fazem compras mesmo sem saber ler o rótulo dos produtos, pagam suas contas, compram produtos mesmo não sabendo organizar contas no papel, apenas calculando mentalmente.

 A estudante J, em conversas no atendimento, comenta sobre a Oficina de Panificação que participa na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), e em um determinado dia quando solicitado sobre como ocorre o processo de fabricação do pão, com bastante propriedade soube explicar todos os passos incluindo os ingredientes (nomes e marcas dos produtos).

Assim, foi possível perceber que mesmo a estudante não conseguindo ainda codificar e decodificar, sabe identificar e compreender o uso da leitura e da escrita, como por exemplo, reconhecendo nomes de alimentos, produtos de limpeza, marcas de bebidas.

Sobre isso a autora Soares (2010) explica que,

[…] o letramento é um estado, uma condição: o estado ou condição de leitura da escrita, com diferentes gêneros e tipos de leitura e de escrita, com as diferentes funções que a leitura e a escrita desempenham na nossa vida. Enfim: letramento é o estado ou condição de quem se envolve nas numerosas e variadas práticas sociais de leitura e de escrita (SOARES, 2010, p. 44).

De tal modo, é possível compreender que a estudante J, passa por esse estado, condição de letramento, não só na escola, mas fora dela também, pois ela tem contato com diversos portadores de texto, em ambientes como no supermercado, lojas, em casa, na Apae. Mas, apesar de ela ter esse contato, conseguir compreender e utilizar esses conhecimentos em sua vida, não é reconhecida como alfabetizada/letrada na escola. A respeito disso, Soares (2010) elucida a compreensão de pessoa alfabetizada e pessoa letrada,

Há, assim, uma diferença entre saber ler e escrever, ser alfabetizado, e viver na condição ou estado de quem sabe ler e escrever, ser letrado […] Ou seja: a pessoa que aprende a ler e a escrever – que se torna alfabetizada – e que passa a fazer uso da leitura e da escrita, a envolver-se nas práticas sociais de leitura e de escrita – que se torna letrada – é diferente de uma pessoa que não sabe ler e escrever – é analfabeta, ou sabendo ler e escrever, não faz uso da leitura e da escrita – é alfabetizada, mas não é letrada, não vive no estado ou condição de quem sabe ler e escrever e pratica a leitura e a escrita (SOARES, 2010, p. 36).

A estudante J, ainda não se apropriou da leitura e da escrita, mas está em processo de aprendizagem e assim, já pode ser identificada como uma estudante letrada, pois a mesma sabe fazer o uso social da escrita, mas é possível perceber que na escola, na sala regular, a condição ou estado de letrada não é reconhecida, é apenas percebida como alguém que não está alfabetizada.

Em conversa com a professora da estudante J, a professora explicou sobre a necessidade de desenvolver com a estudante “atividades básicas” sobre alfabetização, e desse modo a professora compreende que o AEE precisa ser um “reforço” das atividades desenvolvidas em aula. Porém, no AEE, a estudante é compreendida como uma pessoa letrada, e desse modo o trabalho desenvolvido com a mesma busca valorizar esses conhecimentos que ela traz para a escola.

O trabalho desenvolvido com a educanda no AEE buscou potencializar suas capacidades, de forma a desenvolver uma metodologia em que ela se percebesse como alguém capaz de aprender, ou seja, uma visão positiva dela sobre suas conquistas. Desse modo, não foi desenvolvido um trabalho como um “reforço negativo” de um ensino de leitura e escrita, através de cópia de palavras e textos para o caderno.

A educanda durante um passeio realizado com o grupo do AEE comentava sobre as placas de trânsito, outdoors, cardápio e até a embalagem de um lanche. Quando questionada sobre “o que estava escrito”, a estudante J sabia explicar o que era e identificava algumas letras, como por exemplo, a palavra COCA – COLA, identificou a letra C como à letra C de casa, A de anel.

Assim sendo, pensa-se ser necessário que o Letramento e a Alfabetização, sejam compreendidos no sentido que Soares (2010, p. 47) afirma, “[…] O ideal seria alfabetizar letrando, ou seja: ensinar a ler e a escrever no contexto das práticas sociais da leitura e da escrita, de modo que o indivíduo se tornasse, ao mesmo tempo, alfabetizado e letrado”.

Relacionando as vivências da estudante J com a perspectiva teórica sobre compreensão do que é letramento, como um processo imbricado na alfabetização e muito mais amplo do que mera codificação e decodificação, os saberes sobre a escrita da estudante precisam ser valorizados no seu processo de ensino aprendizagem na escola.

Sobre o processo de aprendizagem da estudante, em conversa com a mãe de J, ela explicou que acredita que sua filha vai conseguir ler e escrever e que isso é importante, mas também explicou que como a estudante já está com 17 (dezessete) anos, existem outros conhecimentos mais importantes para a mesma conseguir “se virar na vida”, que talvez agora sejam mais “urgentes”.

Um exemplo, que ela narrou foi os conhecimentos que a estudante aprendeu na Oficina de Pães da Apae, ela já sabe fazer pão, ou seja, tem um conhecimento que pode lhe proporcionar um emprego um dia, ou será um conhecimento que poderá utilizar em casa para ela e sua família.

A mãe utilizou essa situação, para poder explicar sobre a necessidade da estudante adquirir conhecimentos importantes para a vida, desse modo, percebe-se ser necessário repensar como está se dando o processo de ensino aprendizagem da estudante, um processo permeado pela inclusão da mesma.

A estudante J, assim como seus demais colegas da modalidade de ensino EJA, sofreram/sofrem um processo de “exclusão” durante sua vida escolar. Essa exclusão é ratificada pelo fato de estarem na modalidade EJA, uma modalidade onde jovens e adultos que não frequentaram a escola em “idade apropriada” podem voltar a frequentar esta. As causas que fizeram com que se afastassem da escola são diferentes, porém em específico no caso da estudante J, em grande parte foi por falta de compreensão e implementação de uma educação inclusiva.

Enfim, o ensino enquanto for compreendido e exigido através de formas de avaliação e medição do saber, não se aproximará da perspectiva inclusiva de educação, pois o ensino inclusivo não consegue ser “mensurado”, logo acaba por ser desconsiderado, pois se trata de um processo e não de um produto.

NOTAS

[i] Modalidade de Ensino da Educação de Jovens e Adultos.

[ii] O atendimento educacional especializado (AEE) tem como função identificar, elaborar e organizar recursos pedagógicos e de acessibilidade que eliminem as barreiras para a plena participação dos alunos, considerando suas necessidades específicas. As atividades desenvolvidas no atendimento educacional especializado diferenciam-se daquelas realizadas na sala de aula comum, não sendo substitutivas à escolarização. Esse atendimento complementa e/ou suplementa a formação dos alunos com vistas à autonomia e independência na escola e fora dela. Dentre as atividades de atendimento educacional especializado são disponibilizados programas de enriquecimento curricular, o ensino de linguagens e códigos específicos de comunicação e sinalização e tecnologia assistiva. Ao longo de todo o processo de escolarização esse atendimento deve estar articulado com a proposta pedagógica do ensino comum. O atendimento educacional especializado é acompanhado por meio de instrumentos que possibilitem monitoramento e avaliação da oferta realizada nas escolas da rede pública e nos centros de atendimento educacional especializados públicos ou conveniados (BRASIL, MEC, 2008, p. 16).

 

Referências

SOARES. M. Linguagem e escola: uma perspectiva social. 17ª ed. São Paulo: Ed. Ática, 1997, p.95.

__________. LETRAMENTO – um tema em três gêneros. 4ªEd. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010. 128p.

OLIVEIRA, M.K. Jovens e adultos como sujeitos de conhecimento e aprendizagem. GT18. Anais da 22ª R.A. da Anped. Caxambu/MG,1999.

VYGOTSKY. L. S. Pensamento e Linguagem.  2ª Ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

______________. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Tradução de José Cipolla Neto, Luís Silveira Menna Barreto, Solange Castro Afeche. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

* Pedagoga (UFSM), Educadora Especial (UFSM), Especialista em Gestão Educacional (UFSM), Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação (UFSM) e Pesquisadora do Grupo KITANDA, Dialogus e Kairós (UFSM), E-mail: elizianetaina@yahoo.com.br.

** Economista (UNIFRA), Acadêmico do Curso de Matemática Licenciatura Plena (UFSM) e bolsista PIBID/UFSM, do Projeto “A Matemática e o Mundo a Sua Volta”, E-mail: henriquecereser@gmail.com.

Post Author: partes