A utilização da tecnologia. Recursos lúdicos no recreio: da alfabetização ao ensino médio, eficiências no combate à indisciplina

A UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA: RECURSOS LÚDICOS NO RECREIO: DA ALFABETIZAÇÃO AO ENSINO MÉDIO, EFICIÊNCIAS NO COMBATE A INDISCIPLINA

 

Maria Valdete da Silva Bolsoni[[i]]                                            

Valdecira Aparecida da Silva Moreira[[ii]]

 

Maria Valdete da Silva Bolsoni – Professora na rede Estadual de Ensino, Pedagoga, especialista em Mídias na Educação, Métodos e Técnicas de Ensino, Gestão Escolar, Mestranda em Ciências da Educação. valdetebolsoni@hotmail.com

Resumo: O presente trabalho, foi dividido em duas etapas, a primeira pesquisa bibliográfica e a segunda pesquisa de campo na Escola 16 de Junho em Colorado do Oeste-Rondônia. Os resultados da pesquisa comprovam a hipótese de que o recreio, quando organizado de forma pedagógica, com a utilização da tecnologia, recursos lúdicos da alfabetização ao ensino médio, representam eficiência no combate a indisciplina. 

Palavras-chave. Recreio, Indisciplina, Alfabetização, Tecnologia

 

Abstract: The present work was divided in two stages, the first bibliographical research and the second field research in the School of 16 of June in Colorado of the West-Rondônia. The results of the research prove the hypothesis that recreation, when organized in a pedagogical way, using technology, playful resources from literacy to high school, represent efficiency in the fight against indiscipline.
Key words Playground. Indiscipline. Literacy. Technology

 

Introdução 

O projeto, a utilização da tecnologia: recursos lúdicos no recreio: da alfabetização ao ensino médio, eficiências no combate a indisciplina, surgiu em cumprimento à portaria 2308/2016/GAB/SEDUC, artigo 5º que estabelece: “As escolas deverão elaborar o Projeto de Intervalo Dirigido com duração de 15 minutos.”

Tem o objetivo de propiciar a interação entre os alunos, no horário do intervalo, ampliando situações de aprendizado, incorporação de atividades que auxiliam o desenvolvimento físico, intelectual e ético, proporcionando melhorias no convívio social, resultando em ganhos na aprendizagem em sala de aula, minimizando o ócio e a indisciplina.

Possivelmente as brincadeiras recreativas e jogos podem contribuir para melhorar a socialização ou civilidade entre os alunos, e deste modo diminuir as brigas, principalmente durante o tempo de recreio (SOUZA 2016p.5).

Valdecira Aparecida da Silva Moreira – Pedagoga, Especialista em Gestão Escolar; Métodos e Técnica em Ensino; Mídias na Educação; Pós-graduada em Educação de Jovens e adultos na Diversidade e Inclusão Social – Supervisora da Escola 16 de Junho Colorado do Oeste- Rondônia,, valdeciracolorado@hotmail.com

A estratégia utilização de recursos tecnológicos para propiciar o lúdico, na hora do intervalo, foi organizada em parceria: alunos, orientação escolar, equipe gestora e docente, após grupo de estudos e análise das ações didáticas e pedagógicas que poderiam contribuir positivamente com a diminuição da indisciplina na escola.

 Fundamentação teórica

É necessário que na escola haja um recreio livre, mas com um ambiente planejado, com profissionais capacitados que saibam lidar com os alunos e seus diferentes estilos de expressão (SOUZA, 2016,p.20) Para a autora o recreio escolar deve ser transformado em um momento educativo, mas é preciso que toda a escola se envolva.

Barros (2012) :

A escola pode ser o espaço garantido para tais atividades, pois os jogos e brincadeiras podem garantir que as crianças escolham regras, se divirtam e desenvolvam a aprendizagem simultânea. O jogo, o brinquedo e o brincar em qualquer situação ou momento constituem um dos instrumentos fundamentais na organização e consolidação do sentimento de segurança, fato indispensável na construção da própria identidade. Os jogos permitem a elaboração de regras que norteiam a convivência social e despertam hábitos e atitudes de solidariedade e respeito que contribuirão para uma convivência social. (BARROS, 2012, p. 89).

Barros(2012) defende que as atividades lúdicas encantam a todos, por acreditar neste pressuposto teórico, foi que se pensou em atividades que envolvesse tecnologia e ludicidade oferecendo aos alunos momento de lazer e aprendizagem, evitando correrias desnecessárias e conquistando diminuição considerável da agressividade nas atividades durante o recreio escolar.

Lucon e Schwartz (2003,p.3) defendem que a busca dos adolescentes é quase sempre voltada para a superação de seus Limites. E que é muito importante que o lúdico seja sempre motivado, pois é essencial na vivência e no crescimento saudável e harmônico das crianças, além de ser importante para a formação crítica e criativa .

.

É importante conhecer as necessidades e intenções dos participantes, para poder ajudá-los na realização dos seus objetivos e, também, para que o local se torne agradável, a fim de permitir um maior desenvolvimento de todos. (LUCON, e SCHWARTZ, 2003,p.9).

 

Para as autoras o recreio com atividades lúdicas possui inúmeros pontos positivos. A diversidade de atividades que pode ser realizada no recreio depende, também, da relação entre os alunos. Neste ínterim Faria (2002) destaca que:

O recreio é um tempo historicamente construído a partir da reformulação do cotidiano escolar fundamentada em razões “médicos, higienistas e cientifico-pedagógico” para o gasto de energia e para o descanso, ou seja, por um lado descansar-se das aulas, por outro se gasta energia acumuladas que impedem a concentração” (FARIA, 2002, p. 17).

Ter um recreio sem gritarias, corre-corres, com atividades pedagógicas tornou-se sonho possível, em muitas escolas na rede estadual de educação no Estado de Rondônia, passando de utopia para realidade após a implantação da portaria 2308/2016/GAB/SEDUC, artigo 5º que estabelece: “As escolas deverão elaborar o Projeto de Intervalo Dirigido.”

A Utilização da Tecnologia: Recursos Lúdicos no Recreio, Eficiências no Combate a Indisciplina

 

Para melhor elucidação dos fatos, após a pesquisa bibliográficas utilizando como aportes teóricos os autores: Barros(2012) Souza(2016) Lucon e Schwartz(2003) Faria(2002) Portaria 2308/2016/GAB/SEDUC, iniciou-se a pesquisa de campo com objetivo de confrontar teoria e prática, utilizando observação e entrevista tendo como público alvo a orientadora da Escola 16 de Junho em Colorado do Oeste- Rondônia.

O primeiro questionamento foi: Como surgiu o “Projeto: A Utilização da Tecnologia: Recursos Lúdicos no Recreio, Eficiências no Combate a Indisciplina” A resposta da entrevistada foi:

No inicio realizamos visitar as salas de aulas, para explicar sobre Regras de Convivência, projeto Hora do Recreio e fim da correria durante o intervalo das aulas, solicitando parceria dos alunos e sugestões de ação concreta. Em parceria com os alunos do 5º ano elaboramos os procedimentos metodológicos, ações que promovia o bem estar de todos, como: criação da Detetives Inteligentes Correria Zero- DICZ. Agência na qual participavam alunos com bom comportamento ou alunos destaques, devidamente identificado com crachá da agência, tudo coordenado pelos alunos, supervisionado e acompanhado pela Orientação Escolar. (Orientadora da Escola 16 de Junho,2017).

Observa-se por meio da resposta da orientadora que houve envolvimento dos alunos na construção do projeto, atendendo assim aos objetivos de despertar o protagonismo juvenil na escola.

Após este primeiro momento as sugestões foram surgindo, segundo depoimento da orientadora, os alunos observavam o comportamento dos demais, orientando-os em relação à indisciplina e no caso de reincidência anotava o nome dos infratores e repassava o mesmo para a orientação e juntos pensavam em uma penalidade que variava desde análise das atitudes, ao auxilio nas brincadeiras de crianças menores, promovendo a harmonia entre todos.

Perguntou-se para a entrevistada como prosseguiram as ações do projeto, quais as metodologias e estratégias utilizadas?

Para o bom andamento utilizou-se cartões: amarelo para atenção em relação aos comportamentos indesejáveis, chamando a atenção para o comprimento das obrigações dos alunos, descritos no Regimento Interno da Escola e na Agência DICZ. – Cartão Vermelho, aplicado no caso de reincidência alertando-os para a necessidade de parar e refletir as ações. (Orientadora da Escola 16 de Junho).

Interrogou-se as ações do projeto em discussão estavam definidos no Projeto Pedagógico da Escola, a resposta foi afirmativa, e que os alunos sentiam-se empolgado a partir do momento em que assumiam responsabilidades.

Ao observar o desempenho das ações no momento do recreio, percebeu-se que os crachás de identificação propiciavam certo ar de autoridade nos alunos, e que estes por sua vez levavam a serio suas atribuições. No entanto o serviço de orientação educacional acompanhavam as ações o tempo todo, oferecendo suporte aos alunos.

A orientadora acrescentou que o projeto foi um sucesso, houve a participação efetiva dos alunos do 3º ao 5º ano, cada dia, era um grupo responsável pelas ações, à mudança de comportamento dos alunos foi real. Segundo fala da Orientadora da escola em pesquisa, o projeto teve inicio em 2016, os frutos positivos foram tanto que o mesmo foi reeditado em 2017.

A equipe gestora acompanhou a entrevista e ressaltou que o Projeto “A utilização da tecnologia: recursos lúdicos no recreio: da alfabetização ao ensino médio, eficiências no combate a indisciplina” foi testado e aprovado e que a escola recomenda sua aplicação com pequenos ajustes, respeitando as peculiaridades  em todas as escolas da educação infantil ao ensino médio, pois quando há a participação dos alunos com ação e reflexão os frutos aparecem.

Considerações Finais

A cada ano se inclui novas ações ao projeto. O uso da tecnologia está presente na escolha da música, na disponibilização dos microfones da Rádio Escola para contação de histórias, declamação de poesias e divulgação de informes educacionais, pesquisas no laboratório de informática sobre novas ações possíveis de serem implantadas no projeto hora do recreio.

O projeto “A utilização da tecnologia: recursos lúdicos no recreio: da alfabetização ao ensino médio, eficiências no combate a indisciplina” tem caráter reflexivo e dinâmico. Observou-se no Projeto pedagógico que ele cumpre a diferentes objetivos entre eles: o combate ao Bullying na escola, melhoria do convívio social, cumprimento de regras básicas, despertar de habilidades em manusear os recursos tecnológicos disponíveis na escola, solidariedade, capacidade de argumentação com fundamentação, entre outros. Propiciando ganhos na qualidade de vida na escola e na sociedade.

Referencias Bibliográficas

 

BARROS, P. C. de. Jogos e Brincadeiras na Escola: Prevenção do bullying entre crianças no recreio. Tese de Doutoramento em Estudos da Criança Especialidade de Educação Física, Lazer e Recreação. Universidade do Minho. Portugal. Fevereiro de 2012.

FARIA, E. L. Apesar de você: O brincar no cotidiano da escola. Belo Horizonte: Licere, 2002.

LUCON, Priscila Nogueira e SCHWARTZ Gisele Maria As Atividades Lúdicas Como Um Diferencial Na Diminuição Da Agressividade No Âmbito Escolar- Rio Claro São Paulo 2003.

RONDONIA, Secretaria de Estado da Educação. Portaria 2308/2016. GAB/SEDUC/RO.de 18 de junho de 2016, implanta as Matrizes Curriculares Unificadas, constantes nos anexos I e IV desta portaria , para aplicação nas escolas da Rede Publica Estadual de Ensino, no período diurno, a partir do ano letivo de 2016.

SOUZA, Bruna Ferrari de,  O Lúdico No Recreio Como Contribuição Para Diminuir Os Casos De Violência Na Escola,  Maringá , 2016.

 

[[i]]Professora na rede Estadual de Ensino, Pedagoga, especialista em Mídias na Educação, Métodos e Técnicas de Ensino, Gestão Escolar, Mestranda em Ciências da Educação. valdetebolsoni@hotmail.com.

[[ii]]Professora na rede Estadual de Ensino Pedagoga, Especialista em Gestão Escolar; Métodos e Técnica em Ensino; Mídias na Educação; , Mestranda em Ciências da Educação, valdeciracolorado@hotmail.com.

Post Author: partes