Igreja de São Cristóvão

Lincoln Secco, membro do grupo de estudos D’O Capital, é autor desta série sobre as mais antigas igrejas da cidade de São Paulo, segundo Lincoln, os santos são muitos e há para todos os dias e os estudos da variação regional e histórica de suas devoções contribuiriam muito para se conhecer a história popular do Brasil.

Avenida Tiradentes. Proximidades da Rua São Caetano. Lá situa-se a simplória Igreja de São Cristóvão, aquele gigante forte e bondoso que desejou ser o mais fiel servidor do Rei de todos os reis. Para servir o próprio Cristo, conta-se que ajudava pessoas a atravessar um rio. É por isso o protetor dos viajantes.
Nos arredores da Igreja avolumam-se motoristas, em busca da proteção divina. Sítio arqueológico de relativa importância também foi encontrado no terreno da Igreja. O que faz de São Cristóvão uma fonte de inspiração para os pesquisadores da história de São Paulo.
A Igreja foi inaugurada em 1856, junto com o Seminário Episcopal de São Paulo, por capuchinhos provenientes da Savóia (França). Tinha um lado esquerdo que foi derrubado, onde ficavam alguns teólogos, como nos informa o maior historiador das Igrejas de São Paulo, Leonardo Arroyo. O lado direito do Seminário lá permanece, ocupado por bares e lojas. A construção é a mesma do século passado. Pobre, como a maioria das igrejinhas da antiga cidade de São Paulo, notabilizou-se por ter abrigado em seu seminário o mais triste dos poetas paulistas: Paulo Eiró.
Paulo Eiró nasceu na vila de Santo Amaro, hoje apenas um bairro da Zona Sul. Precoce, foi poeta, dramaturgo de notável talento e, quando ainda nem despontavam os liberais mais ousados, ele já demonstrava consciência plena do problema racial e da questão republicana. Foi aluno da Faculdade de Direito do Largo São Francisco e… do Seminário. Lá, notabilizou-se pelo conhecimento profundo e original da teologia. Chamou a atenção dos seus professores e superiores hierárquicos. Conta seu biógrafo, Afonso Schmidt, que Paulo Eiró foi convidado a retirar-se do Seminário devido suas inclinações por teorias políticas mundanas.
Lembremos que o Vice-Reitor do Seminário, o capuchinho espanhol Frei Firmino de Centelhas havia lutado nas hostes carlistas em Espanha, conforme diz o Monsenhor Paulo Florêncio de Camargo em sua volumosa A Igreja na História de São Paulo (V.7, p.216). “Carlistas” eram os seguidores do ultraconservador e tradicionalista D. Carlos. Já o Reitor, Frei Eugênio de Rumilly, de origem francesa, havia conhecido os “males” da Revolução de 1848 na Europa.
Apaixonado e rejeitado, triste e solitário, viajou a pé por grande parte do território paulista. Também foi ao Rio de Janeiro e tentou chegar às Minas Gerais. Morreu supostamente enlouquecido no hospício que ficava ali pelas bandas da Igreja do Carmo.
Porque falar de Paulo Eiró? Porque a Igreja de São Cristóvão, apesar dos seus alegres cultos aparentados à Renovação Carismática, que hoje empolgam tantos fiéis, não consegue livrar-se da lembrança do mais desgraçado dos poetas que São Paulo já possuiu.

Par. São Cristóvão – (24.03.1940)
Av. Tiradentes, 84
CEP: 01102.000 – Luz – S. Paulo – SP
Fone: 11 – 3227.3790

 

 

Missas

Sábado
15:00
Domingo
09:00
Missa em louvor à Santa Filomena
10 de cada mês
15:00

Sacramentos

Batizados

Curso: Ocorre no terceiro Domingo do mês das 09h às13h

Celebração: Ocorre no último Domingo do mês após a missa

Crisma

Entre em contato com a Paróquia para mais informações.

Curso para noivos

Curso: Ocorre no primeiro Domingo do mês das 09h às 13h

Primeira eucaristia

Entre em contato com a Paróquia para mais informações.

Confissões

DIA
INÍCIO
FIM
Sábado
13:00
15:00

Post Author: partes