Internet, literatura e turismo cultural na região cacaueira

Aline de Caldas Costa

publicado em 02/11/2006

Aline de Caldas Costa é discente do Mestrado em Cultura & Turismo da Universidade Estadual de Santa Cruz. Bolsista da CAPES. É integrante do Grupo de Pesquisa Identidade Cultural e Expressões Regionais.

Resumo

Neste trabalho, a Internet é considerada ferramenta de visibilidade do local e incentivo ao turismo. Retratada na literatura amadiana, a região sul-baiana possui espaços que reúnem bens simbólicos de importância histórica e cultural e impulsionam o internauta a re-conhecer o local e as tradições, ilustradas através da re-leitura midiática.

Abstract

In this work, the InterNet is considered tool of visibility of the place and incentive to the tourism. Portraied in amadiana literature, the region south-Bahian possesss spaces that congregate symbolic valve of historical and cultural importance and stimulate internauta to recognize the place and the traditions, illustrated through the midiática re-reading.

Retratada na vasta literatura de Jorge Amado, a cultura que se originou na região cacaueira reúne representações do imaginário de importância histórica e cultural para o território sul-baiano. Considerando que as descrições das cidades grapiúnas presentes na literatura, estimulam a capacidade do leitor em criar imagens de personagens e lugares que, na maioria das vezes, ele desconhece, o espaço em rede é tomado como meio para a interação entre o local e o global com o propósito de impulsionar o desenvolvimento turístico na região sul-baiana.

Nesse ínterim, o conceito de rede é entendido como um conjunto de nós interconectados (CASTELLS, 2000, p. 498). A literatura é aqui considerada um nó junto ao paradigma da tecnologia da informação a partir do qual muda-se o olhar sobre a questão do leitor. Livre do objetivo de alcançar a leitura correta, o internauta pode viver a experiência de interpretar um texto literário num processo de reconstrução do próprio texto. Interessa o confronto entre a construção do autor e as reconstruções do leitor, observando os significados e seus locais de construção, suas interpretações, diferenças interpretativas à luz de mediações históricas e sociais.

Como bem define Manuel Castells, “culturas são formadas por processos comunicativos” (2000, p. 394) que, por sua vez, são baseadas na produção e consumo de sinais. Em seu raciocínio, o autor insere a própria sociedade num sistema simbólico. Com a ajuda do dicionário, Castells explicita que os conceitos de real (aquilo que existe de fato) e virtual (aquilo que existe na prática) dão espaço não à inserção da sociedade num espaço virtual, mas à construção de uma virtualidade real, na qual “toda realidade é percebida de maneira virtual”.

Através da Internet, as especificidades de linguagem defendidas por Ítalo Calvino (1990) podem ser amplias durante a recepção da obra amadiana. A primeira lição é a leveza, que se manifesta através de sugestões verbais. A segunda é a rapidez, que se relaciona com a narração de um raciocínio atravessado por itens que assegurem a abstração e a formação de figuras visuais leves. A exatidão é a terceira especificidade de relevância e possui três aspectos a serem considerados: (1) a boa definição de um projeto de obra, (2) a formação de ideias visuais nítidas e (3) uma linguagem precisa, capaz de traduzir detalhes do imaginário. A visibilidade está ligada à capacidade em criar imagens visuais nítidas, enquanto que a multiplicidade envolve conexões para tomar o romance como método de conhecimento, permeável e expansivo. A consistência envolve o trato e a abordagem de conteúdo.

Contudo, tais aspectos nem sempre são considerados quando se observa o que existe disponível on-line. Tomemos dois exemplos: Os websites da Fundação Casa de Jorge Amado e da empresa Costa do Cacau.

A Fundação Casa de Jorge Amado possui um espaço virtual bastante rico. Bilíngue, faz uma apresentação animada da Instituição, trazendo sua imagem imponente como pano de fundo. Em seguida, ainda na apresentação, surge um quadro com o mascote da Fundação, o galho de um cacaueiro com frutos maduros e o mais famoso ditado popular baiano: “se for de paz, pode entrar”. É um espaço agradável, com aparência atraente, embora um pouco exagerada.

Observando essas características, é possível considerar que o website é valorizador da instituição, à medida que disponibiliza informações sobre a sua origem, localização, loja, trabalhos de pesquisa, material biográfico e bibliográfico do autor e de sua esposa, constituindo-se enquanto mantenedora da memória e da contribuição de Jorge Amado e Zélia Gattai para a cultura baiana, com foco na capital.

O endereço da Costa do Cacau tem sua página de entrada bastante simples, sem animações. Sua logomarca, em evidência, é composta por linhas curvas, leves. Apresenta a frase “Viva Jorge Amado”, ainda que não faça nenhum outro tipo de referência sobre o autor, seu trabalho ou sua importância para a região. Valoriza bens simbólicos naturais, sem deter-se em análise cultural. O mapa apresentado, ao clique sobre a logomarca, agrega certa visibilidade à região; contudo a abordagem é estritamente econômica, sem a preocupação com a cultura, ou, ao menos, com Jorge Amado, utilizado apenas enquanto link para tratar de outros temas. O propósito é apresentar um possível roteiro a um internauta interessado em viajar.

A abordagem aqui considerada para a Internet leva em conta que a rede constitui um processo cognitivo comum a várias formas de produção e troca de sinais. Essa característica aproxima as várias formas de perceber e compreender as muitas mensagens reunidas num único meio de comunicação. O ambiente virtual permite ao usuário experimentar um contato simbólico muito mais abrangente que em qualquer outro meio de comunicação, intensificando a reunião de conteúdos no intuito de valorizar aspectos singulares de uma cultura.

A relação sistêmica entre global e local é um dos aspectos mais relevantes para a compreensão das novas formas de transformação social, organizadas em rede. A relação entre tempo e espaço modificam-se e alteram também as ideias de poder e experiência. A ideia aqui em desenvolvimento toma o global como ferramenta para a visibilidade do local. Tal procedimento é tomado como recurso para apresentar e valorizar a cultura regional pelo viés da literatura do cacau numa releitura para Internet, visando o incentivo ao turismo.

Assim, considera-se a Internet como espaço para difusão dos elementos culturais suscitadores do interesse do leitor-turista (SIMÕES, 2002) que, neste caso, também é internauta. Esse usuário da rede encontrará em atributos culturais regionais, ilustrados na literatura amadiana, motivações a deslocamentos (razões para), e buscará realizar (razões porque) mediações históricas e sociais (GUMBRECHT, 1998), visitando e re-conhecendo o espaço ficcionalizado.

Segundo Manuel Castells, a compreensão de identidade se faz a partir de um “processo de construção de significado com base em atributo cultural, ou ainda, um conjunto de atributos culturais inter-relacionados, o(s) qual(is) prevalecem sobre outras fontes de significado” (CASTELLS, 1999, p. 22). Para Stuart Hall (2000), o processo de identificação é fundamentado com base no reconhecimento de alguma origem comum ou de características partilhadas por grupos ou pessoas. Neste caso, a diferença entre grupos se apresenta como identidade através de um dispositivo discursivo. Hall sugere ainda a formação de identidades partilhadas através de fluxos culturais entre as nações (1999).

A utilização dos recursos comunicacionais da Internet, visto que a identidade cultural regional ganha maior visibilidade através das conexões virtuais que acentuam a sua mobilidade, além de despertar o desejo do internauta em visitar o cenário ficcionalizado e reconhecer as tradições, caracteriza-se como importante fonte de difusão para o turismo cultural local. Contudo esse turismo precisa ser pensado enquanto atividade de desenvolvimento regional sustentado, que carregue consigo o ideal de implementação de uma nova postura, preocupada com políticas públicas e valorização deste patrimônio, priorizando a cultura regional.

Referências

CALVINO, Italo. Seis Propostas para o Próximo Milênio: Lições Americanas. Trad.: Ivo Cardoso. São Paulo: Companhia das letras, 1990.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. Tradução: Klauss Brandini Gerhardt. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

GUMBRECHT, H. U. As Consequências da Estética da Recepção: Um Início Postergado. In: Corpo e Forma Ensaios Para uma Crítica Não-Hermenêutica. Org: João Cezar de Castro Rocha. Rio de Janeiro: Editora UERJ, 1998. p. 23 – 46.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP & A, 1999

HALL, Stuart; WOODWARD, Kathiryn; SILVA,Tomaz Tadeu da Silva (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

SIMÕES, M. de L. N. De Leitor a Turista na Ilhéus de Jorge Amado. In: Revista Brasileira de Literatura Comparada, nº 6, p. 177 – 183. Belo Horizonte: ABRALIC/ UFMG, 2002. Disponibilizado in: www.uesc.br/icer > Acesso Set/ 2003.

www.fundacaojorgeamado.com.br

www.costadocacau.com.br

Post Author: partes