Estágio Supervisionado: O Trabalho com Poesias no Ensino Fundamental

Estágio Supervisionado: O Trabalho com Poesias no Ensino Fundamental

 

Fernanda Duarte Araújo Silva¹

Fernanda Duarte Araújo Silva
Doutora em Educação. Professora do Curso de Pedagogia pela Faculdade de Ciências Integradas do Pontal (FACIP) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Especialista em Docência no Ensino Superior (UFU-2004) e graduada em Pedagogia (UFU-2003). Possui experiência na Educação Infantil e Ensino Fundamental como Docente e Coordenadora Pedagógica. Atuou como Professora Assistente da Universidade Federal do Tocantins e atualmente é Professora da Universidade Federal de Uberlândia, Campus do Pontal. fernandaduarte.facip@gmail.com

Resumo: O presente trabalho tem por objetivo relatar uma experiência de estagiárias do curso de Pedagogia, da Universidade Federal de Uberlândia. O projeto intitulado “Construindo Poesias” foi desenvolvido com 27 crianças da fase introdutória, na faixa etária de seis anos em uma escola da rede pública municipal da cidade de Uberlândia.  Esse tema surgiu a partir de observações que as estagiárias realizaram na escola, nas quais perceberam que as crianças tinham um contato restrito com a literatura, principalmente com a poesia. As aulas de literatura restringiam-se às contações de histórias e o recorte e colagem para ilustrações. Os livros de literatura também eram usados como instrumentos para avaliar a leitura das crianças. Em linhas gerais, podemos afirmar que o projeto oportunizou a todos os envolvidos no projeto uma experiência valiosa, pois aliou a teoria a uma prática, onde o lúdico, as atividades participativas, a construção do conhecimento possibilitou o desenvolvimento de um imaginário que contribuiu com a formação dos alunos. Além disso, as alunas do curso de Pedagogia tiveram a oportunidade de perceber que existem diferentes formas de compreender a leitura, a interpretação, o pensar e o agir, tendo como ponto de partida a literatura.

Palavras-chave: Estágio Supervisionado, Poesias, Literatura, Educação.

 

Contextualizando o trabalho…

 

Sobre a integração da universidade com a sociedade, sabemos que a universidade, constitui-se como um espaço em que se agregam diversas e diferentes ações. Assim, promover essa integração é considerar a idéia de diversidade de ações, de desenvolvimento da ciência aplicada e participação na busca de melhorias e resolução de problemas sociais que permeiam a região no qual vivemos.

         Um dos caminhos utilizamos para desenvolver ensino e extensão foi o desenvolvimento de projetos educacionais nas escolas municipais da cidade de Uberlândia, a partir das disciplinas de Estágio Supervisionado do Curso de Pedagogia, que vão de acordo com as necessidades das crianças e das alunas do curso. Abordaremos a seguir alguns aspectos teóricos discutidos e estudos ao longo do curso de Pedagogia, que embasaram as práticas das estagiárias, desenvolvidas nas instituições escolares.

O projeto intitulado “Construindo Poesias” foi desenvolvido com 27 crianças da fase introdutória, na faixa etária de seis anos em uma escola da rede pública municipal da cidade de Uberlândia.  Esse tema surgiu a partir de observações que as estagiárias realizaram na escola, nas quais perceberam que as crianças tinham um contato restrito com a literatura, principalmente com a poesia. As aulas de literatura restringiam-se às contações de histórias e o recorte e colagem para ilustrações. Os livros de literatura também eram usados como instrumentos para avaliar a leitura das crianças.

 

Literatura Infantil: Estabelecendo algumas bases teóricas

Discutir sobre literatura infantil na sala de aula, nos remete a algumas reflexões sobre seu histórico no intuito de compreendermos melhor a importância desse trabalho na atualidade.

De acordo com Zilberman (2003), os primeiros livros para crianças foram produzidos ao final do século XVII e durante o século XVIII, sendo escritos por pedagogos e professores. Antes disso, não se escrevia para elas, porque não existia a concepção de infância. Assim, a compreensão da existência de uma faixa etária diferenciada, com interesses próprios e necessitando de uma formação específica, só aconteceu em meio à Idade Moderna.

         Até então a escola não trabalhava com a realidade do mundo infantil e negava a convivência social, apenas ensinando-lhe as normas. Essa educação normativa manifestava os ideais burgueses, ou seja, colocava as regras ditadas por aqueles que tinham o poder. O professor, nesse sentido, colaborava no processo de dominação, submetendo-se a vontade de classes poderosas. Assim, não podemos negar que a literatura infantil, a escola, bem como o livro, compartilhavam uma mesma função, reproduzir o mundo adulto, interferindo assim no mundo imaginário da criança incutindo ideologias e impedindo a reflexão.

Os textos produzidos para a escola se revelavam nas palavras de Zilberman (2003) como um manual de instruções, tomando o lugar da emissão adulta, mas não ocultando o sentido pedagógico. Portanto, com a entrada do livro na escola, a sociedade quis produzir seres dependentes que adotam normas impostas sem discuti-las.

         O caráter normativo dado à literatura, atualmente mudou.  Hoje falamos de uma educação formativa. A escola, o livro, bem como a literatura infantil, e as relações entre eles e as suas especificidades à formar um sujeito crítico, reflexivo e que participe do contexto social em que vive.

Vale destacar que para Coelho (2000), sem o registro dessa literatura através dos livros, não haveria como esta chegar à escola, pois a língua oral, a memória, tem seu valor, contudo é efêmera. O que é impresso, escrito, permanece na vida dos homens muito mais tempo. Livros deixam de ser materiais de instrução e passam a carregar heranças da história, do presente e do futuro.

Acreditamos assim que uma edu­cação transformadora e humanizante passa necessariamente pela prática da leitura e tem nela seu objetivo maior.  E é segundo Cagliari (1998), a formação de leitores a principal função da escola atualmente. Acreditamos ainda que, por sua natureza, é a literatura que tem a mais rica, eficaz e gratificante contribuição a dar na busca desse objetivo. Os textos literários adquirem no cenário educacional, uma função única, singular: aliam à informa­ção o prazer do jogo, envolvem razão e emoções numa atividade integrativa, conquistando o leitor por inteiro e não apenas na sua esfera cognitiva.

Mas ao questionarmos o que é literatura, encontramos diversas respostas que vão desde uma concepção de literatura como simples forma de prazer sem maiores consequências, até uma concepção de literatura como docu­mento fiel da realidade. Quando se trata então de respondermos à mesma pergunta, acrescentando-lhe o adjetivo “infantil”, as respos­tas podem ser ainda mais controvertidas.

Mas será que realmente existe uma literatura estri­tamente infantil? Alguns estudiosos acreditam até mesmo que haja uma oposi­ção quase que natural e inconciliável no binômio literário-infantil. Para Zilberman (2003), na verdade o que se observa é que quanto maior for o valor literário de um texto, menores serão as delimitações de faixa etária.  Um bom livro dito para crianças pode ser lido com o mesmo gosto e proveito também por adultos. O que há, portanto, é ape­nas literatura, isto é, arte literária.

Na realidade, toda obra literária para crianças pode ser lida pelo adulto: ela é também para crianças. A literatura para adultos, ao contrário, só serve a ele, sendo assim menos abrangente do que a infan­til. Assim compreendemos que literatura infantil é toda a literatu­ra que pode ser lida também pela criança.

         Percebemos assim, que de modo geral a literatura permite ao leitor descobrir novos sentidos para a realidade, ampliando e enriquecendo a sua percepção do ser humano, do mundo e de si mesmo, porque de ma­neira específica proporciona “a vivência intensa e ao mesmo tempo a contemplação crítica das condições e possibilidades da existência humana” pois condensa a realidade, selecio­nando aquilo que de mais significativo ela apresenta.

Concluímos que existe uma articulação entre escola, literatura e livro, afinal, a escola sempre teve a função de reproduzir aspectos sociais para moldarem os alunos, para que eles obedecessem aos padrões ideais. Hoje ela tem a função de transformar a sociedade, revendo esses valores, padrões e ideais pregados por uma educação normativa.

Preservar as relações entre a literatura e a escola, ou o uso do livro em sala de aula, decorre de ambas comparti­lharem um aspecto em comum: a natureza formativa. De fato, tanto a obra de ficção como a instituição do ensino estão voltadas à formação do indivíduo ao qual se dirigem. Embora se trate de produções oriundas de necessidades sociais que explicam e legitimam seu funcionamento, sua atuação sobre o recebedor é sempre ativa e dinâmica, de modo que este não permanece indiferente a seus efeitos. Que essa é a meta da educação é fartamente conhecido, enfatizando-se em tal caso sua finalidade conformadora a padrões de existência e pensamento em vigor.

Nesse contexto, a literatura infantil, deve ser levada a realizar sua função formadora, que não se confunde com uma mis­são pedagógica. Com efeito, ela dá conta de uma tarefa a que está voltada toda a cultura – a de “conhecimento do mundo e do ser”, o que representa um acesso à circunstância individual por inter­médio da realidade criada pela fantasia do escritor. E vai mais além – propicia os elementos para uma emancipação pessoal, o que é a finalidade implícita do próprio saber.

Diante dos vários gêneros literários, optamos pelo poético, que traduz muito da literatura, em sua delicadeza, sensibilidade. Trata-se de uma leitura agradável, interessante e divertida onde as crianças tiveram um contato prazeroso com a leitura.

 

O que é poesia…

 

Poesia arraiga em um certo modo de perceber e compreender o mundo ao nosso redor, no intuito de nos auxiliar a captar algo que vai além do visível e do aparente.

Assim, ao questionarmos: O que é poesia? Neste sentido é que encontramos esse poema:

 

Que é poesia?

Uma ilha

Cercada

de palavras

por todos

os lados.

(Cassiano Ricardo)

Para este autor, Poesia é palavra, mas não é somente. Coelho (2000) afirma que é também imagem e som. As palavras expressam emoções e sentimentos através das imagens e da sonoridade. É devido ao jogo de palavras que produz sonoridade bem como a possibilidade de musicá-la que atrai as crianças. O jogo poético estimula as descobertas e atua em suas sensações visuais, auditivas, gustativas, olfativas, tácteis, de pressão, termais e comportamentais, mas vale destacar que um poema não aborda todas essas sensações de uma só vez.

A poesia destinada às crianças deve ser breve, com versos curtos, com rimas para despertar a curiosidade e sensibilidade.

A poesia deve estar sempre presente nos espaços cultos da escola, como também nas ruas com as cantigas folclóricas, de roda, parlendas, provérbios e nas cantigas de ninar.

As rimas são outro recurso poético, e quando bem escolhidas, são gostosas de ler e ouvir. A poesia trata de temas como identidade, conscientização humanitária, as sensações, os sonhos, as emoções e a vivência infantil.

Abramovich (2001) destaca algumas sugestões de como trabalhar com a literatura em sala de aula, que utilizamos em nosso trabalho, entre elas citamos: quando for trabalhada em sala de aula deve ser lida muitas vezes antes pelo professor, para que assim tenha condições de ler com emoção. Escolhemos também poemas musicados para as crianças cantarem.

 

O caminho percorrido…

 

Num primeiro momento as estagiárias expuseram o tema “Poesias” aos alunos que comentaram e se mostraram interessados em conhecer melhor e desenvolver trabalhos sobre o tema. Em seguida, a sala foi dividida em grupos de quatro alunos aos quais entregaram diversos livros de espessura e tamanhos diversos, uns com ilustrações, outros sem, dentre eles o de “A arca de Noé,” de Vinícius de Moraes, (1971), “Ou isto ou aquilo” de Cecília Meireles (1964), entre outros. As estagiárias convidaram as crianças para brincarem com poesias, por meio do e poema “Convite” de José Paulo Paes. Os alunos ficaram livres para se expressarem: alguns leram os poemas, outros ficaram maravilhados com as ilustrações, outros ainda cantaram e relembraram poemas como “A Casa”, “ O Pato”, entre outros.

Em seguida as alunas do curso de Pedagogia escreveram em um cartaz a poesia Pé de Pilão de Mário Quintana. Anexaram o cartaz no quadro. Nesse momento as estagiárias perceberam uma excelente interação por parte dos alunos que participaram ativamente através de perguntas. Em seguida conversaram com as crianças sobre algumas características do estilo literário da poesia, as rimas, os versos, as estrofes a sonoridade, etc.

No próximo momento, leram, cantaram e interpretaram com as crianças, algumas poesias e decidiram então, com os alunos, escrever um poema. A construção coletiva despertou a sensibilidade de todos que empolgados sugeriam alterações, troca de palavras para o registro.

O título do poema foi: “O gato, o Rato e o Pato”. As crianças se lembraram de fatos de suas vivências, os passeios, as férias, etc., o que tornou o momento significativo dando um sentido especial as poesias. Os alunos como sujeitos ativos do processo de elaboração e construção do poema se sentiram autores orgulhosos e dignos de criarem uma expressão literária marcante.

O momento mais esperado por eles foi quando escreveram logo abaixo do título do poema seus nomes como autores. Os olhos dos alunos ofuscaram de satisfação o que ocorreu em via de mão dupla, pois as estagiárias também se sentiram orgulhosas de proporcionar esse momento de construção do conhecimento através de um processo conjunto. No final, as crianças ilustraram os personagens do poema construído por eles e contaram quais foram suas sensações com a experiência vivenciada.

Algumas considerações

 

O projeto oportunizou uma experiência valiosa tanto para as crianças que participaram do projeto quanto para as estagiárias, pois aliou a teoria a uma prática, onde o lúdico, as atividades participativas, a construção do conhecimento deu margem a um imaginário que contribuiu com a formação dos alunos. Além disso, as alunas do curso de Pedagogia tiveram a oportunidade de perceber que existem diferentes formas de compreender a leitura, a interpretação, o pensar e o agir, tendo como ponto de partida a literatura.

O trabalho com poesias despertou o interesse das crianças dos anos iniciais do Ensino Fundamental em desenvolver atividades prazerosas, lúdicas, fantasiosas, imaginárias, reais e simultaneamente indispensáveis ao ensino aprendizagem, sem abandonar o objetivo de conhecer as diferentes formas literárias.

 

Referencias Bibliográficas

ABRAMOVICH, Fanny. Literatura infantil: gostosuras e bobices. São Paulo, Scipione, 2001

CAGLIARI, Luiz Carlos. A respeito de alguns fatos do ensino e da aprendizagem da leitura e da escrita pelas crianças na alfabetização. In: ROJO, Roxane (Org.). Alfabetização e Letramento: Perspectivas Lingüísticas. São Paulo: Mercado das Letras,1998.

COELHO, Nelly Novaes. Literatura infantil: teoria, análise, didática. 1ª ed. – São Paulo: Moderna, 2000.

FRANTZ, Maria Helena Zacan. O ensino da Literatura nas séries iniciais. 3ª ed. Ijuí, RS: ed: Unijuí, 2001.

JEZINE, Edineide. Mutiversidade e Extensão Universitária. In. FARIA, Dóris Santos de. (org.). Construção Conceitual da Extensão Universitária na América Latina. Brasília. UnB, 2001.

ZILBERMAN, Regina. A literatura infantil na escola. 11ª ed. rev. atual. e ampl. – São Paulo: Global, 2003.

Contato: fernandaduarte@pontal.ufu.br

 

 

Post Author: partes