comportamento

Não olhai as estrelas

Por Gilberto da Silva É duro viver no dantesco mundo dos oportunistas. Nem as estrelas poupam. Miram o Sol todos os dias para consumir a energia solar em toda a sua potencialidade. Não perdem um lanche. Não atrasam um trem.  Cavam seus espaços na arquitetura falida dos que optam por uma vida honesta. Oportunistas são hábeis manipuladores. Não há necessidade de ficar olhando estrelas para observar oportunistas no universo. Há uma constelação deles vagando por nossas ruas. E não são aliens.  Não há necessidade de procurar no espaço infinito. Cá estão perto dos nossos olhos, no espaço das nossas vivências. o oportunista é um tentador no sentido de ser um agente da tentação. Falando de um tipo específico de...
Continue a Leitura »
comportamento

Seduzidos pelas tragédias

Cláudia Cibele Bitdinger Cobalchini* Tragédias permeiam a existência humana, tão certo quanto o fato de nascermos e morrermos. E atualmente, como nunca antes experenciado, temos acesso de forma quase imediata e infinitamente reproduzíveis às notícias sobre as tragédias, em diferentes fontes midiáticas, além de as revivermos nas conversas (pessoalmente ou digitalmente), tomando conta de nosso interesse. Mas por que alimentamos este tipo de curiosidade sobre o que demonstra violência, desastres, mortes? Parece que ficamos inebriados por um impulso em buscar mais informações, até sobre os detalhes do ocorrido, numa tendência mórbida, para se aproximar do tema morte. E esta seria uma das possibilidades de vivenciar, sem necessariamente estar diretamente envolvido. A finitude da vida é um tema para o...
Continue a Leitura »
comportamento

Como partimos de Dr. Kildare e chegamos a … House?

Como partimos de Dr. Kildare e chegamos a … House?  Por Sonia Regina Rocha Rodrigues Todo médico de minha geração lembra-se do Dr. Kildare, que inspirou tantos entre nós. Admirado, amado mesmo, este jovem médico (ainda estudante) era apresentado como uma pessoa útil, atenciosa, dedicada, compreensiva, que escutava e consolava seus pacientes. Nos seus relacionamentos profissionais, havia um forte elo emocional. Humano, não se esperava dele que fosse infalível Neste, que é o primeiro seriado médico que assisti, já percebemos um certo tecnicismo, pois o supervisor de Kildare o adverte: ‘Nosso trabalho é manter as pessoas vivas, não dizer a elas como viver.’ Comentário cínico, cujo objetivo era garantir um distanciamento emocional que não perturbasse o raciocínio médico, que,...
Continue a Leitura »
comportamentos

Em tempos de pós-verdade

Em tempos de pós-verdade Gilda E. Kluppel Eleita, ano passado, a “Palavra do Ano” pelo Dicionário Oxford, pós-verdade converte-se numa palavra síntese para expressar, segundo o dicionário inglês, que “apelos à emoção e à crença pessoal” possuem maior relevância para formar opiniões do que fatos objetivos. Esse termo ainda não consta em dicionários da língua portuguesa, contudo se torna frequente o uso em muitas publicações. Uma expressão que soa de modo menos rude para a velha e conhecida mentira, cantada por Erasmo Carlos. Muitos devem se lembrar da música “Pega na Mentira”, agora é a vez de “pegar na pós-verdade”. A verdade não tem mais significância? Em inúmeros casos parece que não. A verdade fragmentada e colocada de lado,...
Continue a Leitura »
comportamento

Por que ser feliz apenas no carnaval?

Por que ser feliz apenas no carnaval? *Por Elaine Ribeiro Carnaval: tempo de diversão, de folia, e para muitos, dias de extravasar e de colocar todas suas energias nestes 4 ou 5 dias de comemorações. Muitos preparam-se o ano todo para o Carnaval. Roupas, viagens, blocos carnavalescos e todo o aparato do marketing que leva o consumo para esta época do ano. É uma festa tradicional, que movimenta milhões em recursos para a economia do Brasil. Para tantos outros, tempo apenas para descansar e de buscar totalmente o contrário do que muitos desejam: a tranquilidade. Vivemos um tempo onde tudo sugere uma urgência e uma necessidade de exposição e intensidade. As redes sociais estão aí e como uma vitrine,...
Continue a Leitura »
comportamentos

Um olhar para o Futuro

Por Heliomar Quaresma Um filme passa à memória quando rememoramos o passado. Analisamos as situações, os êxitos, os fracassos, o porquê de algo ter dado certo e os motivos para o que frustrantemente não se concretizou como o planejado. A vida, por mais que tentemos, é incontrolável. A soma da sucessão de eventos e seus efeitos levam a situações que, por mais que nos esforcemos, fogem às nossas expectativas e previsões. Mas o planejamento serve para que possamos alcançar, apesar dos percalços, nossos objetivos, sejam eles pessoais ou das organizações que nos encontramos. 2016 foi mais difícil do que poderíamos prever. Por mais que as análises da conjuntura pudessem especular sobre os rumos do país e da economia, a...
Continue a Leitura »
comportamento

A diferença entre estar só e estar sozinho

* Christian Moreira   Estar só é uma ação deliberada e consciente, porém sentir-se só é uma aflição para a alma. Em um mundo marcado por múltiplas possibilidades de encontros presenciais ou virtuais, e de incontáveis estímulos sensoriais, é cada vez mais difícil perceber-se sozinho. Graças aos avanços tecnológicos, a imensa maioria de nós tem “o mundo na palma da mão”. Onde quer que estejamos, alcançamos e somos alcançados. Por isso, A solidão foi sendo paulatinamente descrita como algo negativo, prejudicial e evitável. Convencionou-se que estar sozinho seria sinônimo de infelicidade, tristeza, não realização da plenitude de nosso ser. No entanto, nada poderia ser mais equivocado, pois como diziam os antigos: “deste mundo, chegamos sozinhos e partimos sozinhos.” É...
Continue a Leitura »
comportamento

Viagem ao interior: Solidão ou introspecção?

 por Eduardo Paulo Berardi Junior Há quem tenha optado por viver sozinho e alguém então indaga: Mas o que que te deu que você vive sozinho? Alguma decepção? Medo? Ou ninguém está à altura de viver com você? Que somos seres gregários não é preciso dizer… Se optamos por não ter um acompanhante para nossa vida, é uma coisa. Se ficamos isolados sem termos feito opção… aí a coisa é outra… De certa forma há um utilitarismo observado nas relações… “afinal, quando a velhice chegar o que vai ser de mim? Quem vai cuidar de mim?” O medo de percorrer a estrada sem parceria, pode ser apavorante. Assim, os outros são complementos do nosso percurso… uma necessidade e uma...
Continue a Leitura »
comportamento

Corrupção e felicidade

Corrupção e felicidade * Alvaro Fernando Talvez você se lembre do nome de quem matou Odete Roitman, mas ninguém sabe dizer, até hoje, quem matou PC Farias no chamado “crime que abalou o país”. A história está repleta de casos de corrupção em que o corrupto se dá muito mal. A maioria? Quem sabe? O significado do termo por si só já apresenta seus dentes, pois “corrupta”, em latim, é a junção das palavras “cor” (coração) e “rupta” (quebra ou rompimento). Algo que, de cara, não me parece provocar um resultado bom ou convidativo: romper com o coração. A origem do termo está no latim, mas a prática é muito mais antiga que a língua. Fico espantado quando vejo...
Continue a Leitura »
comportamento

Cinco motivos para viajar com os filhos

5 MOTIVOS PARA VIAJAR COM OS FILHOS Conheça as razões pelas quais valem a pena arrumar as malas e embarcar na companhia das crianças. Fernanda Braz, a autora da coleção “Vovô Conhece o Mundo”, explica como o hábito de viajar pode estreitar os laços familiares São Paulo, dezembro de 2017 – A tão esperada férias escolares chegaram. Como é de costume alguns já se preparam para deixar a cidade e curtir as festas de fim de ano na praia, campo ou fora do País em contato com outras culturas, línguas e costumes. A escritora paulista, Fernanda Braz, que acabou de lançar a coletânea infanto-juvenil “Vovô Conhece o Mundo” e estimula a criança a desvendar enigmas pelo mundo, não acredita...
Continue a Leitura »
comportamento

Where are you from?

* Alvaro Fernando Todos que já viajaram para fora do Brasil, muito provavelmente, já ouviram a famosa pergunta “Where are you from?”. E também já devem ter percebido que o interlocutor geralmente reage com uma cara boa após ouvir a resposta: Brasil. Depois de viajar para muitos lugares, percebi que isso só ocorre porque todos gostam do nosso país, ao contrário do que dizem  muitos brasileiros (da boca pra fora) – por mais incrível que isso possa parecer; Quanto mais viajo pelo nosso país, me apaixono por ele. Recentemente, fiquei oito dias em uma tribo Huni Kuin, isolada no Acre, mergulhei em seus costumes, conheci a função de cada um e explorei a maneira de como vivem bem. Esse...
Continue a Leitura »
comportamento

Pelo fim da violência simbólica contra a mulher

Simone Baía*  “E se… você fizesse uma dieta, uma plástica ou alisasse o cabelo?”. Estas são algumas formas de expressão de violência simbólica que nós, mulheres, passamos todos os dias. A campanha #primeiroassédio nas redes sociais trouxe à tona diferentes formas de violência contra a mulher. Uma das violências invisibilizadas e naturalizadas pela sociedade é a violência simbólica. Nossos corpos são inseridos em um código de subalternidade e normatividade. Para Pierre Bourdieu, a violência simbólica é o meio de exercício do poder simbólico. Esse sistema de dominação que vem desde o simbólico pode chegar à violência física. Afinal, estamos falando sobre dominação e propriedade de corpos e vidas. Os principais motores da violência simbólica são a mídia, o próprio...
Continue a Leitura »
Administração

Geração sem-sem

Depois da “geração nem-nem” (jovens que nem estudam, nem trabalham), conheça a“geração sem-sem”. Ela não está relacionada à idade, mas sim à forma como as pessoas utilizam celular e redes sociais sem limites, e não raro, sem noção das consequências. Muitos são os benefícios da tecnologia. O acesso à informação, a velocidade da comunicação, a interação com novas pessoas. Porém, falta bom senso na utilização de celulares e redes sociais. A superficialidade predomina aliada à “síndrome da cabeça baixa”: foco na tela, ignorando a tudo e a todos ao redor....
Continue a Leitura »
comportamento

Paradoxos da utilização das redes sociais e profissionais!

  Por: Simone Nascimento As redes sociais já fazem parte do nosso cotidiano, contudo existem cuidados necessários, principalmente para aqueles que procuram por uma oportunidade de emprego. Alguns “vacilos” na linguagem “teen” são cometidos por alguns candidatos que buscam por uma oportunidade no mercado e, perder uma vaga de emprego pode ter relação com a sua postura nas redes sociais e profissionais. - Você já parou para refletir sobre isso? Algumas redes profissionais tem o intuito de auxiliar o candidato na procura por uma oportunidade de emprego, contudo as formas como alguns se mostram para o mercado é que faz a diferença. Muitos candidatos a vagas de emprego, não tomam os devidos cuidados com o que postam nas redes...
Continue a Leitura »
comportamento

O celular e a comunicação interpessoal

  Eduardo Sehnem Ferro*   Atualmente, é difícil encontrarmos alguém que não utiliza o aparelho celular diariamente, seja para uso profissional ou até mesmo para fins de entretenimento. Quantas vezes nos deparamos com a situação de esquecer o “bendito” aparelho em casa e parecer que estamos sem parte de nosso corpo? O fato é que o celular tem o seu lado muito positivo, quando nos traz a facilidade de estreitar e agilizar a comunicação com aqueles que estão longe. Porém, olhando por outro lado, cada vez mais parece afastar os que estão perto!   Quem nunca vivenciou a situação de estar em meio a uma conversa, quando alguém resolve dar mais atenção ao celular do que a você? Fica aquela...
Continue a Leitura »
comportamento

O que as mulheres fazem que mais estragam seus relacionamentos

Enquanto essas mulheres não conseguirem olhar para si mesmas, assumirem seus medos e reconhecerem suas crenças equivocadas sobre os homens e sobre as relações, dificilmente vão conseguir experimentar encontros criativos e que gerem prazer e felicidade...
Continue a Leitura »
comportamento

Por que as pessoas usam o celular e redes sociais de forma excessiva?

Por Eduardo Guedes Não faz muito tempo, para falar com alguém precisaríamos ligar para o telefone fixo da pessoa. Conhecíamos as vozes dos pais, irmãos, filhos, marido ou esposa. Tínhamos uma certa disciplina e normas de etiqueta social, pois telefonar muito tarde para a casa de alguém significaria, possivelmente, acordar a sua família inteira. Tínhamos também um certo planejamento, pois marcar um encontro no final de semana exigia pontualidade no horário e local previamente acordado. O mundo evolui. E evoluiu rápido, felizmente. O telefone fixo, que antes era patrimônio declarado no imposto de renda, deixou de ser a estrela da casa. Cada membro da família ganhou o seu telefone particular. Na verdade, mais do que isso, receberam poderosos computadores...
Continue a Leitura »