Façam seus pedidos

Equipe que desenvolve o trabalho social

Façam seus pedidos…
Aparecida Luzia de Mello
publicado em 22/10/2008
como http://www.partes.com.br/terceiraidade/pedidos.asp.

 

 

Ao desenvolver um trabalho acadêmico sobre idosos li o artigo da professora Rita Amaral[1], intitulado: O que desejo? Pergunta feita aos idosos antes do natal que “provocou emoções, esperanças, desconfiança, ansiedade, expectativa num um grupo de idosos residentes” numa instituição. Segundo a própria autora

 

 

 

Aparecida Luzia de Mello É Advogada, Mestre em Políticas Sociais, Pós-Graduada em Gestão e Organização do 3º Setor, Psicogerontologia e Memórias.

Como voluntária, eu, minha família e alguns amigos, há alguns anos organizamos a festa de natal no Recanto do Idoso Nosso Lar, em Guarulhos – SP, e resolvemos em 2007, assumir o desafio da ideia. Em parceria com a equipe do Recanto imediatamente colocamos as ‘mãos na massa’.
No início houve insegurança, quanto a conseguir os presentes. Tanto que inseri o assunto em palestras que fiz e em várias localidades, como convidada.
As surpresas foram muitas. Entre elas, a receptividade das pessoas que me abordaram se dispondo a ajudar; o comportamento dos idosos quanto ao ‘seu desejo de natal’ e a ansiedade por ver o desfecho.
A tarefa instigante trouxe descobertas: idosos que não tinham ideia do que desejar como presente de natal, aqueles que pediam o ‘impossível’ como o paralítico que quer voltar a andar ou o que pede o retorno ao antigo lar.
Em 1º lugar veio pedido de relógios de pulso, em 2º lugar sapatos e kits de higiene, logo a seguir bijuterias. Não faltaram pedidos que emocionaram, divertiram e levaram a reflexão.
A idosa que pediu um vidro de ‘leite de colônia’ convidada a pensar em algo mais valioso, respondeu: -: “Este presente é valioso, pois lembra meu primeiro amor!”
Houve também o pedido de um vestido longo roxo, uma peruca longa, um celular, um piano de cauda!!
O pedido mais emocionante foi o pedido de um aparelho para surdez. Embora tivéssemos montado algumas estratégias para conseguir arrecadar o maior número de presentes, achávamos que este, certamente, não viria.
No dia da festa com muitos presentes, kits de higiene, visitas e “afilhados”, música ao vivo e guloseimas, eis que chegou às nossas mãos o aparelho de surdez na caixinha!!!
O idoso queira colocá-lo na mesma hora, mas antes seria necessário marcar uma consulta com o otorrino para a adaptação do equipamento, conforme a coordenadora..
Os presentes foram colocados embaixo da grande arvore de natal montada no espaço de eventos Maria de Nazaré e a cada momento vinha um idoso perguntar sobre seu presente, lembrando a curiosidade das crianças em nossas casas. O desejo é um sinal de vida.
Aqueles que lá estiveram presenciaram estes momentos emocionantes. Outros dizem que não vão porque choram. É verdade, a gente chora muito, mas de emoção, prazer e sentimento de realização!
Sugestão: prepare seu espírito para fortes emoções e crie coragem para levar alegria, carinho e colher sorrisos de montão.
Precisamos parar de fingir que velho será sempre o outro, nós, jamais!
Nossos agradecimentos à equipe de profissionais do Recanto do Idoso que nos apoiaram e ajudaram na realização deste trabalho.

 

[1] http://www.portaldoenvelhecimento.net/psico/psico24.htm

 

Post Author: partes