Câmara aprova lei que visa proteger a língua portuquesa






Por Aldo Rebelo A Comissão de Constituição, Justiça e Redação da Câmara dos Deputados aprovou, em caráter conclusivo, no dia 23 de março, o projeto de lei 1.676/99 do deputado Aldo Rebelo (PC do B-SP) que visa a proteger a língua portuguesa da degradação a que está sendo submetida por estrangeirismos, provenientes sobretudo do inglês. […]






Assédio Sexual é crime e precisa ser punido






Por Iara Bernardi Na semana passada a Câmara dos Deputados teve a grandeza de aprovar um projeto de extrema importância para a causa feminina neste país. Trata-se do PL n.º 61, de 1999, que dispõe sobre o crime de assédio sexual. O projeto, de nossa autoria, foi fruto de intensa discussão de pessoas e organismos […]






Em defesa da nossa língua portuguesa






Nossa língua tem mais de 400 mil vocábulos e é a sétima língua mais falada do mundo. Somos mais de 200 milhões de falantes do português em todos os continentes. Expressões corriqueiras como coffe-break nos eventos, “self-service” nos restaurantes, “happy hour” nos bares, “on sale”, “50% of” e “delivery” nas lojas, não têm razão de ser, sendo a única explicação cabível para a desnacionalização linguística fatores psicossociais reforçados por imposições econômicas e culturais.











Exclusão social






  “A superação da contradição é o parto que traz ao mundo este homem novo não mais opressor; não mais oprimido, mas homem libertando-se.” Paulo Freire – Pedagogia do Oprimido Exclusão social Paulo de Abreu Lima Recentemente assisti a uma entrevista no canal GloboNews feita pelo jornalista Chico Pinheiro com D. Aloísio Lorscheider, Cardeal Arcebispo […]






Censura?






  Luiz Antônio Magalhães O site do Observatório da Imprensa, dirigido pelo jornalista Alberto Dines, foi dispensado pelo provedor de internet Universo Online, controlado majoritariamente pelos grupos Folha e Abril. No último dia 16, Dines foi avisado por Caio Túlio Costa, diretor geral do UOL, que o contrato entre o Observatório e o provedor, válido […]






Quantos temos por fazer!






Paulo de Abreu Lima    Patric… Sorriso curto, estreito, barriga acentuada, cheia de verme. Quando me vê, um olhar profundamente terno, que envolve a voz tímida, acompanha o gesto da perninha esticada indicando o sapatinho desamarrado. ” Tio, amarra pra mim…” Na sua expressão, no seu jeito, tem mais que um pedido, tem uma fala firme, embora […]






A clareza tem o seu preço






Rodrigo Contrera Sou duplamente estudante na Universidade de São Paulo. Duplamente porque faço filosofia (graduação) e ciências sociais (pós-graduação) na mesma faculdade. Tenho conseguido um rendimento razoável em ambos os cursos, mas é bom desde já esclarecer que custo vários milhares de dólares ao erário público todos os anos, como todos os meus colegas. Não […]






Minorias, maiorias… a quem interessa a divisão?






 Eduardo Paulo Berardi Junior Minorias? Maiorias? Negro. Mulher. Indígena. Judeu. Muçulmano. Homossexual… Heterossexual… Passivo… Ativo…Travesti… Transexual …G.L.S… Lenta e morbidamente, como um câncer, vivemos a tentativa – ou seria preferível dizer, a tendência? – da diluição da consciência de classe como parte fundamental da luta de classes através de mecanismos muito sutis. Estruturalmente, a economia […]






Princípios que reúnem o trabalho na escola






Além da responsabilidade (citada no editorial) outros princípios foram recolhidos em algum texto – sem crédito (se houver, perdão pela cópia indevida) perdido na pasta de um ex-professor que abandonou o magistério.   LIBERDADE – Direito de escolha, ou seja, a condição de poder saber escolher e ter a escolha feita como um direito de […]






Manifesto contra o rebaixamento da maioridade penal






O limite fixado para a maioridade penal não pode ser confundido com a ideia de desresponsabilização da juventude: inimputabilidade não é sinônimo de impunidade. O critério de fixação da idade penal é essencialmente cultural e político, revelando o modo como uma sociedade lida com os conflitos e as questões da juventude, privilegiando uma lógica vingativa-repressiva ou uma lógica educacional. É uma ilusão achar que o sistema carcerário brasileiro poderá transformar adolescentes autores de atos infracionais em cidadãos que possam contribuir produtivamente na sociedade